segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Morar é conceito


Vender apto de 1 dormitorio tem se mostrado um exercicio de convencimento muito especial, voce tem um dos melhores produtos do mercado, uma excelente localização, e um otimo custo beneficio.Nosso trabalho é mostrar, que este empreendimento tem boa localização, pois esta proximo de metro e do centro da cidade de São Paulo, estamos a cinco minutos da praça de Sé, marco zero de Sampa.Voce tera a disposição uma lavanderia com maquinas de lavar e secar industrial ou seja toda a roupa em poucos minutos estara limpa e seca.Voce tem um salão de festas, uma sala de video e jogos com wi-fi, um bicicletario, esta a dois minutos do metro metroII, e ainda conta com o financiamento da Caixa Economica Federal plano minha casa minha vida.
As parcelas são relativamente pequenas, quando a pessoa entra pra ver o apto decorado se apaixona com o que ve pois a solução do design de decoração ta show.

Caso queira investir pra depois alugar a solução tambem sera muito boa, pois valores de locação na região estão em alta e a tendencia é a procura aumentar.

Caso queira conhecer este empreendimento venha ao stand na av. rangel pestana, 965 centro de SP.e me procure. Abs.Carvalho

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Paulo Henrique Amorin vê o desenvolvimento

Materia extraida do Blog do jornalista Paulo Henrique Amorin, blogueiro de longa data.

O ansioso blogueiro foi a Suape dar um abraço em Lula

Este Conversa Afiada se permite dizer há muito tempo que, desde Vargas, nenhum outro Presidente viu o mapa do Brasil inteiro, diante de si, como Lula.

Lula acelerou dois movimentos de mobilidade: vertical, com a ascensão social; e na horizontal, com a integração do País, economicamente.

E o Farol de Alexandria continua a achar, na sua secundária perspectiva, que a Dilma e o Lula não tem estratégia – clique aqui para ver como Nassif disseca a subalternidade do pensamento do Farol de Alexandria.

JK levou o Brasil para São Paulo.

Lula levou o Brasil para o Brasil, inteiro.

Saiu no Valor de hoje, na pag. A3:
“Petróleo e ferrovias dinamizam portos do Norte e do Nordeste”

Trata-se de reportagem de André Borges que fala da crescente papel dos portos de Vila do Conde (Para), Itaqui (Maranhão), Pecem (Ceara) e Suape (Pernambuco) na movimentação da carga no País.

E como a expansão ferroviária e a Petrobras participam desse movimento de integração econômica irreversível.

Ainda este ano, a Ferrovia Norte-Sul, que São Paulo dinamitou no Governo Sarney, começa a licitar tráfego de cargas.

A FNS concluiu o trecho Norte e vai dinamizar Vila do Conde e Itaqui.

Vila do Conde, ainda, vai se beneficiar da recente inauguração das eclusas de Tucuruí.

Itaqui vai transportar grãos do Norte e se fortalecer com a refinaria Premium que a Petrobras constrói ali perto, para desespero dos “especialistas”.

A Ferrovia Trans-Nordestina vai cortar o Sertão, em 1.728 km.

Vai ligar o interior do Maranhão e do Piauí a Pecem, no Ceara, e a Suape, em Pernambuco.

Pecem terá que ajudar a outra Premium da Petrobras – para desespero dos “especialistas” – e dar conta da siderúrgica que a Vale constrói ali perto.

E daqui a pouco entra em funcionamento a termoelétrica do Eike Batista

Por fim, Suape, que ajuda a fazer uma revolução em Pernambuco – clique aqui para ler “Suape fez uma revolução em Pernambuco e Eduardo Campos dá de 10 a 0 em Cerra”. e “Bacelar: nunca vi o Nordeste melhor”.

Ali em Suape a Petrobras constrói a refinaria Abreu e Lima, que vai produzir 230 mil barris/dia.

Daqui a pouco chega a fabrica da Fiat, que Minas perdeu para Pernambuco: um investimento de R$ 3 bilhões para produzir 200 mil carros por ano.

O estaleiro Atlântico Sul prevê expansão e a Petroquímica Suape se instalara.

A produção agrícola e mineral vai sair do interior do Maranhão e do Piauí, pegar a Trans-Nordestina e escolher: sai por Pecem ou por Suape ?

Tudo isso e’ resultado de um projeto que o Globo chama de “empacado “- o PAC do Lula e da Dilma.

(Não esquecer que o maior projeto industrial em curso no Brasil, hoje, é o complexo Comperj, no Rio, uma integração de refinaria com industria petroquímica, sob o impulso da Petrobras, que, um dia, foi Petrobrax.)

Os militares falavam em “integrar a Amazônia para não entregar “.

Era uma visão estreita, nacionalisteira, que só pensava na Chevron – Cerra e Roberto Campos é quem entendem de Chevron.

Não levava o brasileiro, o povão, para a mesa de negociação.

Lula pensou na frente, olhou com os olhos de Vargas.

Pensou em integrar na geografia e no bolso.

Espalhou o crescimento econômico e botou dinheiro e educação ao alcance do pobre.

O crescimento não fica mais restrito aos 20 milhões de brasileiros que vivem na Republica da Daslu.

Lula criou um País de 200 milhões.

Lula redesenhou a geografia econômica do Brasil.

Saravá!



Paulo Henrique Amorim
Do site www.conversaafiada.com.br

domingo, 23 de janeiro de 2011

O Minha casa minha vida e o estilo Dilma

Os Jornal O Estado de São Paulo deu uma noticia tentando dizer como sempre que esta tudo errado e no caso a materia seria sobre desvios no programa minha casa minha vida.
A resposta por ordem da Dilma veio no dia seguinte:
Governo federal divulga nota conjunta sobre Residencial Nova Conceição
Os ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão e das Cidades, além da Caixa Econômica Federal (CEF), divulgaram nesta sexta-feira (21/1) nota conjunta que esclarecem problemas identificados no Residencial Nova Conceição, em Feira de Santana, Bahia.
NOTA CONJUNTA SOBRE O RESIDENCIAL NOVA CONCEIÇÃO
Em relação aos problemas identificados no Residencial Nova Conceição, em Feira de Santana (BA), os Ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão, Cidades e Caixa Econômica Federal (CEF) esclarecem:
1)Situações semelhantes às apontadas pela matéria do jornal O Estado de S. Paulo foram verificadas no processo de monitoramento do Programa Minha Casa Minha Vida, no 4º trimestre de 2010, razão pela qual foram discutidas e adotadas medidas para enfrentá-las. Algumas delas estão na Medida Provisória 514 que tramita no Congresso Nacional e prevê, dentre outras providências:
a. Revisão do instrumento de adesão ao programa que obrigue as prefeituras a assumir compromissos de trabalho social, equipamentos e serviços públicos.
b. Aumento dos recursos para pagamento do trabalho social para que as prefeituras iniciem o acompanhamento social antes da implementação do empreendimento e na etapa de pós-ocupação. Essa ampliação prevê melhoria nas condições de emprego e renda das famílias.
c. Implementação de sistema de monitoramento e avaliação, pelo Ministério das Cidades, em 2011.
2)Os índices de inadimplência verificados nesse tipo de carteira de crédito estão compatíveis com os padrões da faixa de renda até R$1.395,00.
3)Todos os moradores estão sendo notificados pela Caixa Econômica Federal quanto à proibição da venda dos imóveis no período de duração da vigência do parcelamento, como determina a Cláusula Décima Primeira do “Contrato Por Instrumento Particular de Venda e Compra Direta de Imóvel Residencial com Parcelamento e Alienação Fiduciária em Garantia – Programa Minha Casa Minha Vida – Renda até R$ 1.395,00”:
CLáUSULA DÉCIMA PRIMEIRA – transferência de dívida e do imóvel – O(s) DEVEDOR(ES)/FIDUCIANTE(S) ficam impedidos de vender, prometer vender ou ceder seus direitos, emprestar, alugar o imóvel objeto dessa alienação na vigência do parcelamento, bem como manter o imóvel fechado ou dar qualquer outra destinação que não seja a residência dos titulares e de seus familiares.
Parágrafo Único – O descumprimento dos apontamentos acima implicará a rescisão do contrato de parcelamento, resultando na cobrança integral e à vista do valor de venda, abatidos os pagamentos já realizados.
4)Todos os apartamentos irregularmente vendidos serão retomados, como prevê o Contrato.
5)Os moradores do Residencial Nova Conceição também estão sendo informados, pela Caixa Econômica Federal, sobre as possibilidades de renegociação de seus débitos, caso haja dificuldades de pagamento. Esse procedimento ocorre em todas as carteiras de crédito e especialmente para aqueles que se encontram em situação de vulnerabilidade social e econômica.
6)A Caixa Econômica Federal está realizando também o levantamento social de cada morador e a situação de cada imóvel, neste momento.
7)Em relação à situação física do Residencial, os danos no piso da entrada do conjunto habitacional ocorreram em função das chuvas e seus reparos foram iniciados há mais de um mês. A obra está sendo realizada em etapas para não prejudicar o acesso dos moradores e será concluída até o final de fevereiro.
Assinam:
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão
Ministério das Cidades
Caixa Econômica Federal

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Porque o mercado imobiliario esta bombando!

BB Crédito Imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões e cresce 105%

O Banco do Brasil atingiu nesta semana a marca de R$ 3,5 bilhões em sua carteira de financiamento imobiliário. O número representa crescimento de 105% em relação a janeiro de 2010.

Desse montante, atribui-se aproximadamente R$ 3 bilhões às linhas de financiamento a pessoa física e R$ 500 milhões ao financiamento a produção pessoa jurídica.

Entre os fatores determinantes para os números alcançados estão: melhorias nas condições das linhas, formalização de convênios com grandes empresas e órgãos públicos, participação nos principais eventos imobiliários do País, entre outros.

Alem do BB, a Caixa Economica federal tambem é a grande financiadora dos programas habitacionais com destaque para o programa Minha casa Minha Vida que tem injetado muitos bilhões para compra da casa propria.


Inscrição para o Prouni

Inscrições para a primeira etapa do ProUni encerram nesta terça

Os interessados em concorrer a uma das 123.170 bolsas oferecidas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) neste primeiro semestre de 2011 têm até esta terça-feira (25) para fazer a inscrição. Serão oferecidas 80.520 bolsas integrais e 42.650 parciais, de 50% da mensalidade, em aproximadamente 1,5 mil instituições de educação superior de todo o País.

Podem se candidatar às bolsas participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2010 e que atingirem no mínimo 400 pontos na média das cinco notas (em ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias e redação) e que tiveram acima da nota zero na redação.

Para concorrer à bolsa integral, o estudante deve comprovar renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio (R$ 765, em valores de hoje); para bolsa a parcial, renda familiar, por pessoa, de até três salários mínimos (R$ 1.530). Além de ter feito o Enem 2010 e ter alcançado a pontuação mínima, o candidato deve ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou, em escola particular, na condição de bolsista integral. Professores da rede pública de educação básica que concorrem a bolsas em cursos de licenciatura, normal superior ou de pedagogia não precisam cumprir o critério de renda, desde que estejam em efetivo exercício e integrem o quadro permanente da escola.

As inscrições devem ser feitas exclusivamente pela internet, na página eletrônica do ProUni. O candidato precisa informar o número de inscrição e a senha usados no Enem de 2010 e o CPF.

Segunda etapa - O candidato que não for selecionado na primeira etapa ainda tem uma segunda chance de concorrer a uma das bolsas – integral ou parcial do ProUni. Isso porque está programada uma segunda etapa de inscrições, de 21 a 24 de fevereiro As etapas são independentes, ou seja, o candidato que for pré-selecionado e conseguir a bolsa na primeira etapa não poderá se inscrever novamente. Ao inscrever-se, o candidato poderá escolher até três opções de curso e instituição.

Quantidade de bolsas dobra em 5 anos

Criado em 2004, o ProUni mais do que dobrou quantidade de ofertas de bolsas de estudo – integral e parcial – em cinco anos de atividade. No primeiro ano do programa, em 2005, foram oferecidas 112.275 bolsas – 71.905 integrais e 40.370 parciais. Cinco anos depois, em 2010, o programa mais que duplicou a oferta de bolsas, passando para 241,273.

Programa melhora chances de emprego, diz estudo

Estudante que fizeram o ProUni tiveram uma melhora significativa no nível de empregabilidade, segundo pesquisa encomendada pelo Ministério da Educação junto ao Instituto Ibope Inteligência e que foi realizada em 2009. Pouco mais da metade (56%) dos estudantes trabalhava antes de ingressar no programa. Após o ingresso, 80% dos estudantes declararam estarem trabalhando. Esse movimento ocorreu em todas as regiões do País.

Extraido do site da Secon

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Eu não falei que ia ter enchente!

Ja no ano de 2009 começaram as criticas construtvas sobre as obras nas marginais.

Ampliar a marginal repete erro histórico do urbanismo paulista. Mais enchentes e colapsos do sistema viário
Publicado em 10/09/2009
por Raquel Roknik, no seu blog
Um estudo publicado na quarta-feira, 9, no jornal “O Estado de S. Paulo”, mostrou que a construção de novas pistas na marginal do Tietê terá como conseqüência a redução da área permeável da cidade. É verdade que haverá uma compensação ambiental, mas nem todas as árvores serão plantadas exatamente na marginal.
No mesmo dia o governador José Serra negou que as obras tenham contribuído para o transbordamento do rio, o que não ocorria há dois anos. Segundo ele, a ampliação das pistas não vai tirar um metro quadrado de permeabilidade do solo por causa da compensação ambiental. E o Ministério Público quer paralisar as obras da marginal, que mal começaram.
Em primeiro lugar, não é verdade que a construção de novas pistas na marginal não diminuirá a permeabilidade do solo. A cidade vai sim perder permeabilidade. Com essa obra serão perdidos 19 hectares – como se fossem 19 quadras da cidade de área permeável virando asfalto. A compensação ambiental, por meio do plantio de árvores, não irá compensar isso, pois as árvores serão plantadas em áreas verdes, que já são permeáveis hoje.
Mas é importante explicar que não é só porque perderemos esses 19 hectares que as enchentes aumentarão. No temporal de terça-feira houve sim um volume de água excepcional. Mas volumes de água excepcionais irão acontecer muitas vezes daqui para frente. A principal questão é que quando você coloca todo o sistema viário principal da cidade amarrado em cima dos rios, sempre que há um alagamento ele fica totalmente paralisado.
Por essa razão, o alargamento da marginal do Tietê é um erro urbanístico. É repetir o erro que já foi feito na história da cidade, fazer com que ele seja reiterado. E a prova disso foi a enchente que acabou de acontecer.
Mas não é só isso. Um problema é a área impermeável lá embaixo, ao lado do rio. Outro, mais importante, é a quantidade de área sendo impermeabilizada mais para cima, de onde vem a água que enche o rio. O Tietê tem pelo menos 16 afluentes, e esse volume todo desce das áreas altas, com terra e lixo. Essa mistura vai assoreando os rios e córregos e a própria calha do Tietê e do Pinheiros – e, com cada vez menos chuva, ocorrem mais alagamentos.
Podemos resolver esse problema do assoreamento de duas formas. A primeira é que está na cara que nossa cidade limpa está cidade imunda. A quantidade de lixo aumentou e esse lixo se acumula nos rios. Se o lixo se acumula porque o povo é mal educado, então temos que investir em campanhas, como fizemos com o fumo e com a lei seca, para que as pessoas não joguem mais lixo na rua. Mas é fato que o serviço de varrição foi reduzido, tanto que há um monte de gari desempregado agora.
E não basta apenas manter as galerias limpa, temos que coletar todo o lixo. Não pode haver nenhum pedacinho de papel no chão em lugar nenhum da cidade, incluindo nos assentamentos informais de baixa renda, que também precisam de coleta de lixo.
Outra questão é que existe algo chamado planejamento do uso e da ocupação do solo. Se você ampliar a cidade para qualquer lado, indiscriminadamente, impermeabilizando cada vez mais, teremos cada vez mais problemas de drenagem. É preciso planejar a expansão urbana. E isso é uma coisa que até hoje, na metrópole de São Paulo, simplesmente não existe.
Não há planejamento metropolitano. Cada município faz o que bem entende, não há dialogo entre eles. E os rios, infelizmente, não obedecem a limites municipais. Uma decisão tomada em Cotia ou em Barueri vai interferir naquilo que acontecerá na capital, pois o sistema hídrico é interligado.
O que o caos de terça-feira demonstrou foi que o modelo que vigorou até agora, que é pegar os rios, tamponar, canalizar e colocar todo o sistema viário em cima deles, é um modelo falido. Um modelo que não pode subsistir. Nesse sentido, entendo perfeitamente a posição da Promotoria, que questionou as obra da marginal.
As obras começaram com um licenciamento ambiental feito a toque de caixa, sem um debate adequado, e repetem um erro histórico do urbanismo paulista e paulistano. Isso depois de 450 arquitetos e urbanistas assinarem um manifesto dizendo “não repita, está errado, isso não pode ser feito”, o que foi absolutamente ignorado.
Acho que agora o governador Serra deveria parar um pouquinho para refletir. Em vez de dizer “Vocês querem que a cidade ande de burrico?”, deveria responder à população da cidade de São Paulo com uma alternativa consistente. Porque essa, mais do mesmo, a gente já viu que não vai dar certo.
Raquel é urbanista, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e relatora especial da Organização das Nações Unidas para o direito à moradia adequada.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Perderam o emprego por corrupção no Brasil

Governo Federal expulsou em 8 anos quase 3 mil servidores por corrupção

por Secom em 10/01/2011 20:05hs

O combate à corrupção e à impunidade na Administração Pública levou o Governo Federal a aplicar punições expulsivas a 2.969 agentes públicos por envolvimento em práticas ilícitas, no período entre janeiro de 2003 e dezembro de 2010. Os dados constam do último levantamento realizado pela Controladoria-Geral da União (CGU), que consolida as informações sobre demissões, destituições de cargos comissionados e cassações de aposentadorias aplicadas a servidores públicos do Poder Executivo Federal. Do total de penas expulsivas no período, as demissões somaram exatos 2.544 casos; as destituições de cargos em comissão, 247, e as cassações de aposentadorias, 178.

Somente no ano de 2010, foram 521 os servidores penalizados por práticas ilícitas no exercício da função, o que representa um aumento de 18,94% em relação ao ano anterior. Em 2009 438 agentes públicos foram expulsos do serviço público. O principal tipo de punição aplicada em 2010 também foi a demissão, com 433 casos. Foram aplicadas ainda 35 penas de cassação de aposentadoria e 53 de destituição de cargo em comissão.

No acumulado dos últimos oito anos (2003 a 2010), o principal motivo das expulsões foi valer-se do cargo para obtenção de vantagens, respondendo por 1.579 casos, o que representa 33,48% do total. A improbidade administrativa vem a seguir, com 933 casos. As situações de recebimento de propina somaram 285 e os de lesão aos cofres públicos, 172.

A intensificação do combate à impunidade na Administração Pública Federal é uma das diretrizes do trabalho da Controladoria-Geral da União, que coordena o Sistema de Correição da Administração Pública Federal.

O relatório completo das punições expulsivas aplicadas está disponível em www.cgu.gov.br

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Lentamente voltando a rotina

Voltamos a rotina do dia a dia em são paulo, um amigo preso no transito me liga e diz que o seu projeto para este ano é comprar ou alugar um escritorio mais perto de sua casa no morumbi pois perder todo dia tres horas no transito é loucura.
As pessoas estão procurando qualidade de vida e morar perto do trabalho ou no caso da cidade de são paulo morar perto de metro, faz a diferença se bem que o metro em horario de picos fica impossivel de usar nossa cidade é muito carente de tranpsorte publico.
Os projetos residenciais próximos a metro, trem ou ao centro de são paulo tem vendas garantidas e são o grande filão das principais construtoras. Muita gente ainda esta de ferias as compras de apartamentos e casas vai acontecendo aos poucos.