sábado, 30 de julho de 2011

Antes de comprar um imóvel novo!

Casa no tamanho certo

Antes de comprar um novo imóvel, fique atenta às medidas


Comprar um imóvel para morar é uma tarefa bastante especial, que pode ser balizada pelo valor, localização, número de cômodos, vagas na garagem, entre outros itens.
No caso de construções novas, desenhos da planta em prospectos, jornais e revistas encantam os olhos de quem sonha com a vida em um novo endereço.  Com medidas e até sugestões de disposição do mobiliário, as propagandas imobiliárias se aperfeiçoaram tanto nos últimos anos que os folders do lançamento podem servir de prova do que se está sendo comercializado e proteger o consumidor caso essa promessa não seja cumprida.


Foto: Getty Images Ampliar
Antes de fechar a compra do imóvel, verifique bem todas as dimensões, arrume uma trena e meça os seus móveis e os ambientes


Outro recurso de venda muito usado é mostrar uma unidade mobiliada. Afinal, não tem nada mais sedutor do que ver a casa pronta com móveis novos e organizados por profissionais. Mas mesmo com essa informação escrita e física, o futuro morador pode se equivocar na hora da escolha.
Dê um toque pessoal ao apartamento mobiliado

Analisando apenas o quesito dimensionamento, e deixando de fora os imóveis de alto padrão, destaco alguns pontos que merecem atenção:

Sala: Se tiver muitas portas e paredes inferiores a 2,50 m será difícil acomodar um sofá de três lugares, que têm em média 2,20 m de largura, e as mesas laterais (calcule mais 50 cm cada lado).

Dormitório: A menor cama de casal mede 1,38 x 1,88 m, o espaço mínimo para circular em volta é de 60 cm, portanto a largura mínima de um quarto deve ser de 2,60 m. Com essa largura, o armário de roupas, que tem pelo menos 60 cm de profundidade, terá de ficar à frente da cama, determinando a profundidade do dormitório em 3,10 m.
Conforto em quartos pequenos

E que largura deve ter o armário de roupas? Contabilize que cada adulto tenha ao menos dois metros para guardar suas coisas.

Área de serviço: Com um tanque de 50 cm, máquina de lavar com 70 cm, considerando os espaços laterais e mais um armário, ficaria com comprimento de 2 m e largura de 1,60.

Cozinha:
Com uma medida de 2,50 x 2,40 m dá para ter todos os equipamentos necessários, desde que tudo esteja muito bem planejado.
Sem aperto na cozinha
Equipe sua cozinha com R$ 600


Banheiro: É difícil precisar o mínimo. Depende muito do formato e da posição onde fica a porta, mas dá para perceber que um box de chuveiro menor que 80 x 100 cm é desconfortável de tomar banho. A bacia sanitária a menos de 15 cm da parede também fica apertada.
Mais espaço no banheiro
Ideias para renovar o banheiro
Banheiro renovado com até R$ 150

Garagem: Um carro pequeno mede aproximadamente 1,69 x 3,89 m. A dimensão mínima da vaga para esses modelos pode ser 2,20 x 4,50 m, o que deixa livre 55 cm para a abertura das portas e 61 cm para dividir entre a distância do carro até a parede e a frente.

Antes de fechar a compra do imóvel, verifique bem todas as dimensões, arrume uma trena e meça os seus móveis e os ambientes. Espaço é qualidade de vida.

Fui doutrinada pelo conceito “Less is more” (“menos é mais”), ditado por Mies van der Rohe, mas em se tratando de espaço, tem que ser na medida certa.



Coluna da  Mirna Zambrana no IG

Comentario meu
As dicas da Mirna Zambrana são mais para imóveis usados, quando você compra imóvel novo recebe junto com a minuta do contrato o memorial descritivo e a planta com todas as medidas.  As areas comuns e as garagens estão informadas nas plantas do condominio.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Venha morar em Guarulhos o preço é melhor!

Muita gente esta comprando imóvel em Guarulhos por uma razão que pode passar despercebida para muitos  a não ser que seja um atento observador do mercado imobiliario. A razão é muito simples o valor do m² em nossa cidade esta bem mais em conta do que na cidade de São Paulo.Um apartamento de 2 dormitórios com 50 m² que na vila maria e vila guilherme esta sendo lançado com preço na faixa de R$ 6.000,00 o metro quadrado aqui em Guarulhos sai por R$ 3.600,00. Como a diferença é muito significativa moradores da capital estão optando por investir na compra de imóvel por aqui dada a proximidade da capital e do facil deslocamento pelas vias dutra fernão dias e trabalhadores. Muitos ja trabalhavam em Guarulhos e apenas recentemente optaram por morar aqui pois as opções de casas e apartamentos ficaram muito mais amplas devido as construtoras que acreditaram e investiram em novos modelos em novas metragens em novos conceitos de moradia.
Neste final de semana conversei com doze casais procurando apartamentos com perfil a ser atendido pelo programa minha casa minha vida, é justamente onde estamos trabalhando com este novo conceito um condominio club onde a familia tem todo lazer que precisa, piscina, clube, salão de jogos, cinema, quadra, churrasqueira, local pra crianças brincarem etc e tal. Aliado a excelente localização pertinho da Fernão dias e do shoping internacional,  plantas com design moderno integrando terraço sala e cozinha ver em www.atuaguarulhos.com.br   curiosamente nenhum dos casais que falei moram em Guarulhos.
Temos apartamentos de 2 e de 3 dormitorios o programa minha casa minha vida neste caso atende os interessados em apartamentos de 2 dois domitorios. O financiamento do projeto todo é pela Caixa econômica federal.

Em São Paulo Artistas de rua terão atuação regulamentada.

A prefeitura de São Paulo regulamenta a atuação de artista de rua na cidade. Os artista reivindicavam devido a estarem sendo coibidos de se apresentarem por guardas civis e militares.Serão permitidas apresentações musicais, teatrais, circenses malabares literatura ou poesia, em grupo ou individual com ou sem auxilio de instrumentos musicais. Agora os artista  vão poder se apresentar em qualquer calçada da capital paulista inclusive dentro dos parques e passar o chapeu para arrecadar a caixinha depois do show. Não poderão vender produtos e terão que respeitar a lei do silencio urbano e a circulação de pedestres na calçada.
Este decreto foi publicado nesta quarta feira dia 20.

Ta ai uma medida que ajuda bastante os artista populares que nem sempre conseguiam apresentar o seu trabalho na cidade em funçãoda repressão dos guardas municipais e policiais militares.

terça-feira, 26 de julho de 2011

O valor medicinal dos Pepinos


PEPINO - CONHEÇA O QUANTO ELE É PRECIOSO
 
01. PEPINOS contém a maioria das vitaminas que você precisa diariamente. Um pepino contém Vitaminas B!, B2, B3, B5, B6, C, Ácido Fólico, Cálcio, Ferro, Magnésio, Fósforo, Potássio e Zinco.
02. Sentindo cansado à tarde, dispense o café e coma um Pepino. Pepinos são ótimas fontes de Vitaminas B e Carboidratos que fornecem aquela ''animação'' que dura por horas.

03. Cansado de ver o espelho de seu banheiro embaçar após seu banho? Esfregue uma rodela de pepino no espelho, isto eliminará a neblina e produzirá uma tenra fragrância como no SPA.

04. As lesmas e caramujos estão arruinando suas plantas? Coloque algumas rodelas de pepino num pequeno prato ou forma de lata (não de ferro nem de alumínio ), em sua horta ou jardim, e as pestes ficarão de longe toda a temporada.

05. Procurando por uma rápida e fácil forma de remover celulite antes de ir à piscina ou à praia? Esfregue uma rodela ou duas de pepino nas áreas afetadas por alguns minutos, os fitoquímicos no pepino forçam o colágeno de sua pele a encolher, firmando a camada de fora e reduzindo a visibilidade da celulite.. Funciona otimamente para as rugas também!

06. Deseja evitar uma ressaca ou dor de cabeça? Coma algumas fatias de pepino antes de dormir e acordará sem dor e sem ressaca. Pepinos contém bastante açúcar, Vitamina B e eletrólitos para repor os nutrientes essenciais que o corpo perde, mantendo tudo em equilíbrio, evitando ambos a ressaca e a dor de cabeça!

07. Procurando evitar aquela fome à tarde ou noitinha com alguma coisa? Pepinos têm sido usados por centenas de anos e usados por caçadores Europeus, exploradores e comerciantes como uma rápida refeição para evitar a fome.

08. Tem uma importante entrevista de emprego e você vê que não tem tempo para engraxar os sapatos? Simplesmente esfregue uma fatia fresca de pepino sobre o sapato, os elementos químicos proverão um rápido e durável brilho que fica ótimo e repele a água.

09. Não tem em casa o óleo WD-40 para acabar com aquele barulhinho de uma porta rangendo? Pegue uma fatia de pepino e esfregue no lugar problemático, e pronto, o rangido se foi!

10. Cansado, estressado e sem tempo para uma massagem facial? Corte um pepino inteiro e coloque em uma panela de água fervendo, faça inalação, os químicos e nutrientes do pepino reagem com a água fervendo e se soltam no vapor, criando um relaxante cheirinho, além de reduzir o stress.

11. Acabou de almoçar e não tem goma de mascar ou balas de hortelã? Tome uma fatia de pepino e esprema no céu da boca com a língua por 30 segundos, para eliminar o mau hálito, os fitoquímicos matarão as bactérias responsáveis por causar mau hálito.

12. Procurando por uma maneira para limpar suas torneiras, pias ou aço inoxidável? Esfregue uma fatia de pepino na superfície que deseja limpar, isto não só remove anos de zinabre e traz de volta o brilho, não deixa marcas e não mancham nem prejudicam suas unhas e mãos enquanto limpa.

13. Usando a caneta e comete um erro? Tome a casca do pepino ( o lado de fora ) e devagar use-a para apagar o erro, também funciona muito bem nas marcas de lápis que as crianças deixam nas paredes.



O pepino é um ótimo tônico para o fígado, rins, vesícula e dá força aos cabelos e unhas, pelo seu alto teor de sílica e flúor. Seu suco é utilizado nas inflamações do tubo digestivo e da bexiga.
O pepino tem também ação purificante e serve para eliminar a gordura da pele.
Ele deve ser consumido sempre com casca (bem lavado), pois é nela que se encontram substâncias que o tornam de fácil digestão.
Além disso, o pepino é um diurético natural e de grande ajuda na dissolução de cálculos renais. É rico em potássio, o "mineral da juventude", que proporciona flexibilidade aos músculos e dá elasticidade às células que compõem a pele. Isso resulta em rejuvenescimento da epiderme e do rosto.

Vai um suquinho de pepino aí? Garanto que vale a pena provar e conferir os excelentes resultados.. .
Dora Saunier

Setor imobiliário faz justa homenagem a Lula

Setor imobiliário homenageou Lula ontem em São Paulo

Fonte o valor econômico
SÃO PAULO - Beneficiado com o programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”, o setor imobiliário prestou uma justa homenagem nesta segunda-feira ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
O ex-presidente recebeu a premiação de “personalidade do ano” em jantar com empresários, no clube Atlético Monte Líbano, em São Paulo.
A justificativa é que Lula foi responsável pelo “extraordinário crescimento da indústria imobiliária”, com o “Minha Casa, Minha Vida”.
 (Valor)

 

Premiação Top Imobiliário (Foto: Verônica Lima)

Celebrando bom momento do setor

Setor imobiliário (Fotos:Divulgação)
Setor imobiliário (Fotos:Divulgação)

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Comprar casa para morar ou alugar pode ser um bom negócio

Mercado imobiliário chegou ao equilíbrio, mas demanda e crédito devem manter preços em leve alta, dizem especialistas

Olívia Alonso, iG São Paulo | 25/07/2011 05:32
Em diversas cidades brasileiras, o aumento dos preços dos imóveis virou conversa de bar. “Quando encontrava os amigos, alguém acabava comentando sobre a vontade de mudar de casa ou de comprar um apartamento e reclamava dos preços altos em diversas cidades,” diz a economista Rafaela Laguna, de 30 anos. De fato, os preços de casas e apartamentos subiram em várias regiões do Brasil, puxados principalmente pelo fácil acesso ao crédito e o crescimento econômico do País. Mas, agora que o momento de disparada passou, as perguntas são outras: “Será que os preços vão continuar subinto tanto? Esse é um bom momento para comprar imóveis?”.

Foto: Pedro Kirilos/Riotur Ampliar
Região sul do Rio de Janeiro: mercado imobiliário da cidade seguirá aquecido
Para especialistas, o mercado imobiliário brasileiro chegou a um equilíbrio. “Atingimos patamares de comercialização equilibrados com a situação do País e a níveis de preços equilibrados com o bolso do consumidor,” afirma João Crestana, presidente do Secovi-SP. Depois do forte crescimento do setor em 2010, agora o momento é de acomodação, acrescenta Ricardo Almeida, professor de Finanças do Insper. Segundo ele, isso é resultado dos esforços do governo para a contenção do crédito na economia para o controle da inflação. “Os preços dos imóveis sobem conforme a concessão de crédito,” afirma.
A acomodação do mercado imobiliário não quer dizer, entretanto, que os preços vão cair. Assim, não vale a pena ficar esperando uma bolha para comprar o tão sonhado apartamento. Quem pretende comprar imóveis para morar, deve fazer a compra, na opinião dos especialistas. “Quem ficar esperando uma bolha estourar por quatro anos, terá morado mal por quatro anos,” diz Almeida.
Também pode valer a pena comprar um segundo imóvel para alugar para terceiros e ter uma renda extra, ou então pensando na aposentadoria, segundo os especilistas. "Muitas pessoas se sentem confortáveis em aplicar em bens tangíveis, como os imóveis, então, nestes casos, pode ser uma boa compra," diz Nelson Nélson de Souza, professor de Finanças do Ibmec.



Por outro lado, não é aconselhável comprar imóveis como especulação, com o objetivo de vender e ganhar dinheiro com uma eventual valorização. Na avaliação dos especialistas, há melhores opções de investimento, como por exemplo os fundos imobiliários, títulos do Tesouro Direto, ou mesmo ações na bolsa de valores. "A menos que o investidor perceba que há uma boa expectativa de crescimento na região do imóvel, não creio que terá uma valorização muito expressiva," afirma Souza.
A expectativa dos especialistas é que os valores dos imóveis acompanhem a inflação de agora em diante. “Devem subir um pouco acima, como tradicionalmente acontece no mercado de imóveis. Será uma acomodação direcionada para cima,” afirma Crestana.
Preços em leve alta

A queda dos preços não deverá acontecer, segundo os especialistas, porque ainda há crédito disponível, - apesar da desaceleração - a um valor acessível. “É possível tomar dinheiro a uma taxa de juros de 9% ao ano e, ao mesmo tempo, investir parte do capital e obter um rendimento de 10% ao ano,” diz Souza.
Além disso, as construtoras seguem fazendo lançamentos e também há uma grande procura por novas casas. O que deve continuar puxando a demanda, segundo os especialistas, é o “desejo da casa própria”. “Há milhares de famílias brasileiras sedentas por bons imóveis,” diz Almeida. “O sonho de morar bem é prioridade para a maioria dos brasileiros,” acrescenta Crestana.
Segundo o presidente do Secovi-SP, cerca de 80% dos imóveis novos brasileiros valem entre R$ 150 e R$ 300 mil. Nesta faixa, há um enorme deficit habitacional no País, estimado em cerca de 6 milhões de unidades. “Uma parte são pessoas que moram inadequadamente e uma parte em coabitação, que são aquelas que vivem com parentes ou amigos,” diz Crestana.

Foto: AE Ampliar
Apesar de uma acomodação dos preços, crédito e demanda forte devem manter mercado apontado para cima
Além deste deficit, cerca de 1,2 milhão de novas famílias demandam novas residências todos os anos. Como os números são grandes, durante muitos anos ainda haverá um saldo habitacional deficitário no Brasil, segundo os especialistas. “A minha expectativa é que o País consiga fornecer casas para os novos (1,2 milhão) e, aos poucos, cobrir essa falta. Calculo entre 6% e 8% ao ano,” diz Crestana. Assim, serão necessários pelo menos 10 anos para zerar a conta.
Os especialistas descartam também que haverá uma grande oferta de imóveis de investidores que tenham comprado apartamentos esperando um ganho com valorização. “Quem compra para investir está no topo da pirâmide. São pessoas que geralmente não têm pressa para vender e, ainda que vendam sem grandes ganhos, de forma alguma caracterizam uma tendência,” diz Crestana. “Em geral, a pessoa física reluta muito para vender um imóvel com prejuízo,” acrescenta Almeida.
Pós-boom
Desde a crise de 2008, o governo passou a adotar práticas de conceder mais crédito. No passado, os bancos estatais facilitaram ainda mais os empréstimos para fins imobiliários, tanto para construtoras, como para compradores, segundo o professor. “O crédito subiu de algo em torno de 18% [do Produto Interno Bruto – PIB] em 2004 para perto de 45% em 2010,” diz Almeida.
O presidente do Secovi acrescenta que 2010 foi o ano em que as empresas voltaram a oferecer muitos imóveis – depois de terem reduzido as obras e cortado equipes após a crise de 2008. “As famílias voltaram a querer comprar e as empresas, por sua vez, viram que as consequências da crise não seriam tão sérias e voltaram a construir,” diz Crestana.
Em 2011, no entanto, a preocupação com a inflação entrou em cena e a situação mudou. A regra passou a ser a tentativa de desaceleração da economia. “Já estamos vendo um crescimento menor do crédito,” comenta Almeida. O mercado imobiliário refletiu a mudança.
Em São Paulo, por exemplo, o número de vendas de imóveis novos caiu 34,3% nos primeiros cinco meses de 2011 em relação ao mesmo período de 2010, segundo dados do Secovi-SP. Enquanto isso, o número de lançamentos cresceu apenas 0,8% na mesma comparação.
Regiões
Os especialistas acrescentam que, apesar de ser possível identificar uma tendência de acomodação com leve alta no mercado imobiliário brasileiro, cada região tem suas particularidades. Assim, sempre é possível que investidores encontrem seus “achados”, e consigam comprar imóveis que terão valorizações altíssimas em pouco tempo. "É preciso ver a tendência da cidade, do bairro. Há regiões, como nos Jardins, em São Paulo, em que há vetores de crescimento," diz Souza.
“Em alguns lugares, ainda há espaço para os valores dos imóveis subirem com mais intensidade,” afirma. A cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, vive um momento diferente das outras capitais brasileiras em função dos Jogos Olímpicos de 2016, que acabam causando um alvoroço no mercado, segundo o professor do Ibmec. “Além disso, diversas empresas estão comprando imóveis para seus executivos, o que também contribui para elevar os preços na capital carioca”.
Ao mesmo tempo, também pode acontecer uma queda de preços em algum local. “Em alguma cidade que tenha a economia muito concentrada em alguma atividade específica, por exemplo, é possível que o desaquecimento desta atividade pressione o mercado imobiliário”, diz Almeida. Outro exemplo de particularidade é Goiânia. A capital de Goiás teve um processo de valorização imobiliária um pouco mais atrasado e ainda poderá vivenciar uma alta de preços.


Comentario
Em 2010 um casal veio até o stand de vendas pesquizando os valores de apto 2 dormitorios, o valor pedido estava em torno de R$126.000,00 por um apto de 50m² a renda familiar estava em torno R$ 2350,00.Neste domingo 24/07/11 o casal esteve no mesmo stand de vendas eu os atendi, ainda estão pesquisando, hoje a renda deles é em torno de R$ 2500,00 e o mesmo apto custa R$ 175.000,00.Ou eles compram em lugares mais afastados ou terão de aumentar a renda, pois fato é que os salarios não acompanham a valor dos imoveis.

sábado, 23 de julho de 2011

Consulte sempre o consultor

O profissonal deve saber ajudar os clientes na hora de comprar o imóvel dos sonhos.
As pessoas compram o que estão predispostas a comprar, cabe ao consultor apresentar o produto dar um ideia geral do mercado e do que esta vendendo, se tem bom potencial de valorização as condições de financiamento, prazos etc.
Acontece que quem esta comprando nem sempre respeita este serviço, é muito comun clientes conversarem com um consultor num dia e depois voltam outro dia sem avisar quem o esta atendendo para concretizar o negocio. Quando isto acontece o profissional que trabalha por comissionamento não recebe pelo serviço que fez ou recebe metade.
Muitas vezes tambem o comprador roda por meses sem tomar uma decisão, e quando decide o imóvel que ele mais gostou das dezenas que viu ja foi vendido e o preço ja subiu fugindo do seu alcance.
As vezes por má fé mesmo o comprador depois de conhecer um imóvel que foi apresentado por corretor de imobiliaria, vai direto ao vendedor propondo para comprar ter a comissão de quem esta intermediando como desconto. Neste caso a imobiliaria e ou o corretor podem entrar na justiça contra ambos comprador e vendedor e a justiça tem entendido que a comissão é devida.
Cito o caso de um amigo que recentemente apresentou um ponto comercial em santo amaro SP a uma grande rede varejista de roupas. Feito a negociação dos valores de Luvas e de alugueis o comprador mesmo tendo a proposta atendida diz que não iria mais concretizar o negocio. Dias depois o vendedor fecha a loja e some não esta atendendo nem o telefone mais.O fato é que eles fecharam o negocio na surdina e não pagaram a comissão de 6% que num negocio de 3 milhões fica em R$ 180.000,00 cento e oitenta mil reais.
Agora so resta o caminho da justiça pra resolver esta pendenga, pois o vendedor alem de não atender o telefone sabe-se no mercado que esta quebrado, e o comprador feliz da vida com o bom negocio alega não ter culpa pois o outro foi que vendeu e optou por não pagar. 
Por isso devemos usar cada vez mais a internet para conhecer estes e outro casos e documentar sempre o que esta oferecendo ao cliente.
Por isso sempre faça negocio com o esta atendendo bem!
Bom final de semana.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Energia sustentável em uma camâra municipal




As experiências sustentáveis começam a se multiplicar pelo pais afora, onde estou trabalhando atualmente vejo que algumas empresas adotam uma postura mais preocupada com a sustentabilidade e hoje no ramo da construção civil ja é comun o tratamento dos residuos sólidos, projetos de edificios cada vez mais saem com captação de agua das chuvas para reuso e captação de energia solar, o planeta agradece a gente tambem.

Graças ao Prouni 174 mil estudandes consquistaram o ensino superior

Mais de 174 mil estudantes conquistam ensino superior com bolsas concedidas pelo Prouni.



* Bolsistas do ProUni podem receber apoio integral ou de 50% da mensalidade, dependendo da renda familiar/ Foto: Portal Brasil

Dos formados, 324 são médicos; 40,5 mil concluíram licenciatura e 23,4 mil são administradores; programa custeia estudos de mais 464,5 mil alunos

Após seis anos e meio de existência, o Programa Universidade para Todos (ProUni) já formou 174,5 mil jovens e atualmente custeia os estudos, com a oferta de bolsas, de outros 464,5 mil. Na avaliação do secretário de educação superior do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, além de promover a inclusão de jovens de uma classe social mais vulnerável, o ProUni é responsável por uma transformação cultural importante. “Vários desses alunos são os primeiros membros de suas famílias, em muitas gerações, que têm diploma de ensino superior”, salientou. “Isso gera um impacto muito grande na família e na comunidade.”

Além da realização pessoal, o investimento em educação supre as necessidades da população. “O Saúde da Família tem carência de médicos, e eu pretendo conseguir uma vaga assim que sair meu registro”, afirma Fátima Lacerda Brito de Oliveira, 25 anos, que terminou a graduação em junho, na Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte (CE). A bolsa de Fátima saiu no segundo semestre de 2005. Hoje, ela aguarda o registro profissional do Conselho Regional de Medicina do Ceará para ingressar no Programa Saúde da Família ou trabalhar em hospital de Juazeiro do Norte, onde reside. Daqui a dois anos, ela pretende iniciar a residência médica em ginecologia. Ao todo, 324 dos formados no ProUni são médicos.

Números - Os dez cursos que mais formaram profissionais com bolsas do ProUni, com base em dados da Secretaria de Educação Superior (Sesu), são os de administração (23.429 graduados); pedagogia (13.856), direito (11.263), enfermagem (7.737), ciências contábeis (7.454), educação física (5.822), gestão de recursos humanos (4.589), fisioterapia (3.785), ciências biológicas (3.355) e farmácia (2.876). No conjunto, os cursos de licenciatura formaram 40.514 jovens.

Conheça o programa

O Prouni tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica em instituições privadas de educação superior. Para concorrer às bolsas integrais o candidato deve ter renda familiar de até um salário mínimo e meio por pessoa. Para as bolsas parciais (50%) a renda familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Podem se inscrever no processo seletivo referente ao 2º semestre de 2011, os candidatos que não possuam diploma de curso superior que tenham realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2010 e alcançado no mínimo 400 pontos na média das cinco notas (ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias e redação). O candidato deve ainda ter obtido nota superior a zero na redação.

do site da Secom em 20/07/2011 20:25hs

Burocracia atrasa o Minha Casa em SP

Parceria entre Caixa e CDHU fracassa em SP

Samantha Maia | De São Paulo
21/07/2011

A burocracia pública atrasou investimentos do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida no Estado de São Paulo. A parceria da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) com a Caixa Econômica Federal (CEF), fechada em setembro de 2009 e que previa a contratação de 13 mil unidades habitacionais até o fim do ano passado, anda a passos lentos. Até agora, apenas 270 casas foram contratadas e estão em obras, 195 em Mogi Guaçu e 75 em Pirassununga.

A parceria, que serviria para resolver o problema das construtoras em encontrar terrenos para investir em habitação de interesse social, acabou por esbarrar em dificuldades do setor público, como a condução do processo de licitação, de licenciamento ambiental e a obtenção de aprovação urbanística nas prefeituras.

Na época da assinatura do acordo entre CDHU e Caixa, há quase dois anos, o então secretário de Habitação paulista Lair Krähenbühl dizia que seria assinada outra parceria no mesmo modelo para a construção de mais 11,5 mil unidades, o que não ocorreu.

Como a CDHU tem um padrão de habitação maior que o do Minha Casa, Minha Vida, o que faz que projeto seja mais caro, o governo paulista completa em cerca de R$ 7 mil o subsídio pago pelo governo federal em cada moradia. Além disso, o terreno é doado pela companhia estadual. "O Estado garantirá terrenos bem localizados e metade das casas terá três dormitórios", disse Krähenbühl na ocasião.

No total, foram licitados 17 empreendimentos pela CDHU (2,7 mil unidades habitacionais), mas a maior parte, 2,4 mil, aguarda aprovação pelas prefeituras e pelo Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais do Estado de São Paulo (Graprohab), órgão criado em 2007 para tornar mais ágeis os processos de aprovação. Segundo a CDHU, outros 18 condomínios devem ser licitados em breve, 6.311 unidades habitacionais.

Como são projetos da CDHU a serem levantados em terrenos na companhia, o Estado abre um processo de licitação para escolher as construtoras. Depois de escolhido o investidor, pelo menor preço, o projeto é levado à Caixa para a contratação nos moldes do Minha Casa, Minha Vida.

O objetivo do programa federal, ao colocar os investimentos nas mãos das empresas privadas, era justamente fugir da burocracia estatal. As construtoras, no entanto, encontraram dificuldade nos grandes centros urbanos, de encontrar terrenos em preços compatíveis para o investimentos em moradias para as famílias de mais baixa renda.

O atraso nas contratações, segundo a CDHU, tem ocorrido em várias partes do processo. Para aprovação das instâncias responsáveis, após a licitação, a companhia informa que são necessários ajustes, licenciamento ambiental e obtenção de aprovação urbanística nas prefeituras, procedimentos que demandaram mais tempo do que o esperado. As licitações também ficaram sujeitas a demoras causadas por recursos de empresas questionando o trâmite. Depois há o tempo levado pela Caixa para análise da documentação.

Segundo a Caixa, não faltou recurso para o projeto, informação confirmada pelo Ministério das Cidades. "A implantação não ocorreu totalmente devido a atrasos do processo de aprovação e licitação. Os recursos financeiros estão disponíveis", diz a secretária de Habitação federal, Inês Magalhães.

No Estado de São Paulo, onde a meta era contratar 73,6 mil casas na faixa mais baixa de renda (até R$ 1,6 mil) até o fim de 2010, até hoje não se alcançou esse número, com 67,5 mil moradias contratadas até 17 de junho. Considerando todas as faixas de renda familiar (até R$ 5 mil), porém, o Estado superou a meta em 131 unidades, chegando a 184.126 habitações contratadas.

Do Blog do Nassif

Comentario meu:

Vimos nesta matéria quando o governo federal na questão habitacional precisa contar com governo do estado de SP a coisa não anda porque sera hem. Ja escrevi aqui que sou corretor, acabamos de vender no Bras em SP mais precisamente na av. rangel pestana 965 um empreendimento com aptos de 1 e 2 dormitorios a 250 metros do metrô pedroII. Trata-se de um projeto que teve uma parte dos apartamentos de 1 dormitorio comercializados como HIS - (habitação de interesse social) com financiamento da Caixa Econômica Federal pelo programa minha casa minha vida sucesso total de vendas, agora estamos vendendo mais dois empreendimentos no Cambuci na av. do estado 5814 tambem HIS. São aptos de 1 dormitorio sala cozinha e banheiro sem vaga de carro, e de duas torres uma foi 100% vendida e outra esta com 70% vendido totalizando ai mais de 400 aptos em dois meses graças ao programa minha casa minha vida. Em ambos os casos foi executado por construtora particular com apoio da prefeitura na liberação das licenças e financiado pela CAIXA. Na avenida do estado o projeto que ficou parado varios anos inicialmente não previa aptos de 1 dormitorio, com as mudanças e incentivos de financiamento os construtores resolveram investir neste nicho de mercado e foram bem sucedidos para alegria de quem comprou seu primeiro imóvel pertinho do centro.

Falta imóveis para alugar!

Falta de oferta de imóveis em SP eleva aluguel dos contratos novos em 1%


SÃO PAULO – O desequilíbrio entre oferta e demanda de imóveis para alugar na cidade de São Paulo fez com que o valor do aluguel dos contratos novos de locação aumentasse 1% em junho, na comparação com maio.

De acordo com dados do Secovi-SP (Sindicato de Habitação de São Paulo), o aumento mensal, embora relevante, ficou abaixo dos ajustes de maio, de 1,2%, e abril, de 2,2%. Nos últimos 12 meses terminados em junho, o valor dos contratos novos na cidade subiu 17,56%.

Os valores dos contratos em andamento, que são indexados ao IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado) da FGV (Fundação Getulio Vargas), foram reajustados em 8,65% em 12 meses.

Unidades de 2 e 3 dormitórios foram destaque
Frente a maio, os imóveis de um dormitório foram os que apresentaram as maiores altas no reajuste do aluguel, de 1,4%. O reajuste do aluguel das unidades de três e dois dormitórios foi um pouco menor, de 1% e 0,7%, respectivamente.

No mês passado, as casas e os sobrados foram alugados mais rapidamente, com uma espera média de 12 a 28 dias. Já os apartamentos foram alugados, em média, entre 18 e 38 dias.

Considerando as garantias, 49% dos contratos utilizaram o fiador no mês passado, já 31% utilizaram o depósito como garantia e o seguro-fiança foi utilizado em cerca de 20% dos contratos de locação na capital paulista em junho.

infomoney
Do Yahoo Finanças
Em quinta-feira 21/7/2011, às 8:44

terça-feira, 19 de julho de 2011

Cuidados com o Gmail do Google.

Cuidado com sua conta no gmail, hoje do nada desconectou-me qdo fui tentar entrar recebi mensagem dizendo que minha conta foi suspensa como sou usuario comun fica o alerta. Entrei em contato com o Google, agora é aguardar, todos os contatos profissionais estavam lá e pior sem backup.
Serve pra gente pensar como somos reféns da tecnologia, eu cadastro meus clientes e meus amigos, no caso de contatos comerciais tenho uma cópia na boa e antiga agenda.
O ruin é que se o google não resolver terei que redigitar centenas de nomes e telefones.

sábado, 16 de julho de 2011

Homenagem aos corinthianos


Este link eh muito legal.
CADA CORINTIANO QUE VC ACERTA VC FAZ 10 PONTOS.
TEM UM LOIRINHO LIGEIRO QUE FICA APARECENDO TODA HORA NA JANELA DO ONIBUS ESSE VALE 20 PONTOS, TEM UM BAIXINHO FOLGADO QUE PASSA CORRENDO (É TIPO O NEYMAR ), ESSE VALE 100 PONTOS.... DIVIRTAM-SE!!!
 
 
Propaganda:
A BrasilBrokers esta contratando corretores com ou sem experiencia para atuar em lançamentos na grande São Paulo, damos bolsa integral para o curso de TTI - técnico em transações imobiliarias e damos o estágio exigido pelo CRECI. Possibilidades de ganho acima da média do mercado.
Tratar com o gerente de vendas - CARVALHO - 96691321 email: loggua@gmail.com

Minha casa 2

Minha Casa 2: entenda o que é arrendamento

Feito para famílias com renda de até R$ 1.600, a segunda fase do programa Minha Casa, Minha Vida é estruturada no Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), criado em 2001 para atendimento à habitação de interesse social.

Arrendar significa que as famílias com ganho nessa faixa de renda, ao obter seus imóveis no âmbito do programa não são compradores, de imediato, e sim arrendatários. O arrendamento é uma espécie de aluguel, sendo uma das diferenças entre ambos a duração do contrato, bem mais longo no caso em questão.

Para unidades adquiridas sob legislação do FAR, o arrendador – dono do imóvel, no caso a União, representada pela Caixa Econômica Federal, oferece contratualmente a opção de o arrendatário comprar o imóvel ao final do contrato de arrendamento.

Desta forma, nas faixas de renda familiar de até R$ 1.600, não existem compradores – somente arrendatários. Por este motivo, praticamente inexiste restrição cadastral para aqueles que, pela renda – ou falta dela, estão aptos a candidatar-se ao imóvel, beneficiados pelo subsídio máximo (R$ 23 mil) oferecido pelo programa Minha Casa, Minha Vida.

A Portaria 325, do Ministério das Cidades, publicada no Diário Oficial da União no dia 08 de julho (2011), estabelece que os terrenos destinados à construção de imóveis para renda familiar de até R$ 1.600 devem ser indicados pelas prefeituras e os estados e, na falta destes, pela União.

Caberá às prefeituras fazer o cadastramento das famílias candidatas, e encaminhar o processo à Caixa Econômica Federal. Os interessados devem ficar atentos à abertura das inscrições nos municípios onde residem.

A segunda fase do programa Minha Casa, Minha Vida prevê 860 mil moradias para arrendamento às famílias com renda de até R$ 1.600. O prazo para alcançar este número de unidades é 2014.

Origem dos recursos - O Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) foi criado em 2001, para capitalizar recursos destinados a sustentar o Programa de Arrendamento Residencial (FAR), instituído naquele ano.

O FAR não utiliza recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), mas sim aqueles originados: no Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Social (FAS); no Fundo de Investimento Social (Finsocial); no Fundo de Desenvolvimento Social (FDS), e de remanescentes do Programa de Difusão Tecnológica para Construção de Habitação de Baixo Custo (Protech), em extinção, substituído por outros instrumentos.

FAS – Por sua vez, o Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Social (FAS) tem seu patrimônio financeiro originado em renda líquida das loterias esportivas e federal; nos recursos de orçamentos operacionais da Caixa Econômica Federal, destinados a tal fim; e dotações orçamentárias da União, entre outros.

Finsocial – Quanto aos recursos que formam o Fundo de Investimento Social (Finsocial), são formados, entre outros, por contribuições incidentes no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); Imposto sobre Transportes (IST); Imposto Único sobre Minerais; e Imposto Único sobre Energia Elétrica (IUEE).

FDS - O patrimônio do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) é constituído pelos bens e direitos imobiliários adquiridos pela Caixa Econômica Federal para cumprir os programas habitacionais para baixa renda, conforme estabelecido por lei.

Os tetos para os valores máximos dos imóveis dependem dos municípios onde são localizados.

Fonte: R7

sexta-feira, 15 de julho de 2011

A casa sustentável

Casa inteligente gera energia para eletrodomésticos e até para o carro
Márcio Gomes
Na coluna de ciência e tecnologia ‘Você não sabia, mas já existe’, Márcio Gomes mostra a casa em que nada se desperdiça..
Clique aqui para assistir a reportagem sobre a casa sustentável
É o sonho de muitos brasileiros: uma casa nova, toda planejada e econômica, sem desperdício. Será que é possível? O repórter Márcio Gomes foi pesquisar as últimas novidades na coluna “Você não sabia, mas já existe”.
A Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) é uma instituição importante. Tem mais de 100 anos de vida. A série “Você não sabia, mas já existe” foi conhecer o tal do escritório verde, a casa sustentável. Só de olhar a fase final de construção, percebe-se que ela não é comum.
Não se vê aquela quantidade de entulho, típica de obra. Há muita madeira, mas os forros são diferentes. O relógio de luz fica no meio da sala. O projeto é de um professor que leva o sonho no sobrenome: Eloy Casagrande. De concreto, no sentido literal da palavra, só mesmo as fundações.
O material parece madeira, mas ao ser tocado nota-se que a madeira é mole. Não é madeira. É PVC. Isso já existe lá fora há bastante tempo. “Isso existe: é um sistema construtivo que usa ‘wood frame’, o sistema de construção a seco que usa painéis de madeira em revestimentos internos e externos”, explica o professor Eloy Casagrande.
Ao entrar na casa, as surpresas continuam. A madeira usada para construir as janelas nasceu em um laboratório. É uma espécie de eucalipto geneticamente modificado e mais resistente. As paredes vêm de reflorestamento, com madeira certificada. São duplas para receber uma forração especial: um aspecto de algodão que o professor usou garrafas PET.
“Exatamente. São garrafas comuns. Para cada metro quadrado, eu usei 30 garrafas para reciclar. É um produto já usado no mercado. São sete mil garrafas que nós tiramos do ambiente para colocar na casa. Ela dá uma sensação agradável para quem está na casa tanto no inverno quanto no verão”, afirma o professor Eloy Casagrande.
A placa de borracha é feita de pneu velho. “Pneu reciclado que é retirado do meio ambiente. Para cada metro quadrado de uma a manta de cinco milímetros, eu tenho até três pneus reciclados. Em uma contabilidade que, por cima na casa, deixamos de jogar no meio ambiente 540 pneus”, calcula o professor.
Para chegar ao segundo andar da casa, a escada é ecologicamente correta e sustentável. Ela é feita com um material que parece aquele brinquedo de montar. “Isso é resíduo de escada de madeira de uma fábrica de escadas, que forma painéis com os toquinhos que sobram e acabam formando a escada. Esses toquinhos iam para o lixo. Vira quase uma peça de arte, uma estrutura”, explica o professor Casagrande.
Um dos pontos mais interessantes da casa fica no terraço no segundo andar. Em vez de usar um piso tradicional, eles preferiram grama. Forraram com grama a parte superior da casa. “É um isolamento térmico-acústico. Além de beneficiar a estética da cidade – se todos os prédios tivessem um telhado verde, seria uma maravilha – absorve água e carbono, e eu reduzo a temperatura interna de 3°C a 5°C”, diz o professor.
Um engenheiro, ao ver a grama no teto, ficaria apavorado – “Meu Deus do céu, como ele impermeabilizou isso aqui? Vai chover, essa terra vai absorver, vai dar infiltração”. Eloy Casagrande explica.
“O sistema está resolvido com tecnologias bastante avançadas. Eu tenho uma impermeabilização com borracha líquida. Coloquei uma manta de plástico para fazer reforço. Colo por baixo. Ainda tem o sistema de rufos, com proteção de metal, e eu tenho um sistema por baixo da grama. Esse é o sistema do ecotelhado. Na verdade, é o reaproveitamento de solas de sapato das fábricas do Rio Grande do Sul, de onde já vem a terra com substrato com os nutrientes. Eu modulo, coloco as neivas de grama e a grama se fixa. Há projetos para se fazer cidades suspensas na China com que toda a plantação da China seja feita em situações como essa: nos telhados verdes, no ecotelhado”, afirma o professor.
A água da chuva será coletada para regar as plantas e ser usada nos sanitários. No telhado, serão instaladas placas solares e uma turbina de energia eólica. Sol e vento vão gerar energia, e isso vai aparecer em um dos relógios instalados dentro da casa.
Não é bonito, mas é uma sala de aula. Outro relógio mostra o quanto a casa consome e um terceiro, quanto vai sobrar de energia. A produção eólica e a produção solar vão ser capazes de abastecer toda a casa e ainda sobrar energia?
“Depende de quanto tenho de sol e de vento. Ainda dependo do clima. Mas digamos que eu esteja de férias em janeiro, por 30 dias, e a captação solar seja intensa nesse período de verão. Eu posso dar essa energia passando direto para a rede. Eu me torno um gerador de energia na rede”, explica o professor.
A sobra poderá ser vendida à companhia de energia elétrica em um sistema inteligente de geração e consumo. Da construção da casa sustentável que gera sua própria energia, a Universidade Tecnológica Federal do Paraná tem também o projeto de um carro elétrico. Os dois projetos se somaram, já que a casa é capaz de alimentar o carro.
“Pelo menos, este é o projeto e estamos conseguindo fazer. O carro elétrico, quando ele for carregado na tomada normal da sua residência, pagando a conta de energia, já fica cinco vezes mais barato do que um carro convencional a etanol ou à gasolina. É o equivalente fazer 75 quilômetros por litro com seu veículo. Mas se abastecermos no escritório verde, por meio da geração de energia solar e eólica, gerando essa energia elétrica para carregar a bateria, aí fica de graça para você andar com seu veículo”, afirma Eloy Casagrande.
O carro ainda é um protótipo e está em fase de teste. A casa é um laboratório. Mas que ninguém duvide: projetos como esses já estão voando baixo no mundo inteiro. Em São Paulo, Márcio Gomes mostra no vídeo outro projeto de casa sustentável. Veja no vídeo!
Veja mais informações no site da Sociedade do Sol


da Rede Globo - 14/07/2011 - Atualizado em 14/07/2011 08h45

quinta-feira, 14 de julho de 2011

A casa popular sustentável

Uma casa popular e sustentável que será vendida em lojas de materiais de construção

No projeto há previsão de aberturas para aproveitamento
               máximo da luz solar (Fotos: Divulgação)
 Rio de Janeiro - Uma casa de baixo custo e com máximo aproveitamento de recursos naturais como a luz do sol e o vento. Assim é o “Minha Casa Holcim”, projeto desenvolvido pela cimenteira Holcim em parceria com a faculdade de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FAU/UFRJ).

O modelo de habitação, lançado nesta terça-feira, 3, foi concebido a partir de diretrizes de construção sustentável. O valor estimado para venda, incluindo material e mão de obra, foi calculado em cerca de R$ 45 mil, o que pode variar de acordo com a região e a customização na parte de acabamentos.

“Geralmente, são as casas de alto padrão, e não as populares, que incorporam a sustentabilidade, sempre aliada à tecnologia de ponta”, constata Leonardo Francisco Giglio, supervisor de Desenvolvimento de Canais e Marketing da Holcim.

O “Minha Casa Holcim” tem cinco sugestões de plantas com ideias que permitem a economia de energia e água, conforto térmico e reciclagem. Há opções com dois dormitórios, além de um modelo adaptado para quem tem algum tipo de deficiência física. Assim, a área total do imóvel pode variar entre 46 e 68 metros quadrados. Cada casa prevê, ainda, um espaço adicional que pode ser mudado de acordo com as preferências do morador.

Com relação aos itens de sustentabilidade, há a inclusão de locais para dispor de lixo reciclável e óleo de cozinha usado, mais entradas de luz (melhor iluminação natural), ventilação circular (aberturas mais altas), materiais que proporcionam conforto térmico e acústico, tecnologia de energia a gás ou elétrica (eficiência energética), com opção de captação de luz solar e gestão e economia de água (sistema de captação de água da chuva para reutilização).

O protótipo está montado no campus da FAU/UFRJ. O desenvolvimento do projeto foi realizado pelos arquitetos Osvaldo Luiz de Souza e Alice de Barros Horizonte Brasileira, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ. Ambos já desenvolviam pesquisas em torno do tema construção sustentável.

COMERCIALIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO

Outro elemento que merece destaque é a forma de comercialização. Será possível adquirir o projeto, assim como contratar a mão de obra e adquirir os itens necessários para erguer a casa em quiosques que serão montados em lojas de materiais de construção. Os compradores poderão visualizar as plantas em 3D. Para a execução, não há necessidade de “canteiro de obras”, pois os materiais chegam em contêineres com o objetivo de reduzir os resíduos de obra. A construção é rápida e leva cerca de 60 dias, podendo variar de acordo com as condições climáticas do local.

O projeto atende a região Sudeste e está disponível, nesse primeiro momento, em revendas da Holcim credenciadas de Vitória e do Rio de Janeiro.

Fonte: O Globo

Levanta e sacode a poeira


Por que será que nos lamentamos
tanto quando nos decepcionamos,
perdemos e erramos?

O mundo não acaba quando nos
enganamos; Ele muda,
talvez, de direção.

Mas precisamos tirar partido dos
nossos erros.
Por que tudo teria que ser correto,
coerente, sem falhas?

As quedas
fazem parte da
vida e do nosso
aprendizado.

Que dói, dói.
Ah! Isso não posso negar!
Dói no orgulho, principalmente.
E quanto mais gente envolvida,
mais nosso orgulho dói.

Portanto, o humilhante não é
cair,
mas permanecer no chão
enquanto a vida continua seu
curso.

O problema é que julgamos o
mundo segundo nossa própria
maneira de olhar e nos
esquecemos que existem milhões
e milhões de olhares diferentes
do nosso.

Mas não está
obrigatoriamente errado
quem pensa diferente da
gente só porque pensa
diferente.
E nem obrigatoriamente
certo.
Todo mundo é livre de ver
e tirar suas próprias
conclusões sobre a vida e
sobre o mundo.

Às vezes acertamos, outras
erramos.
E somos normais assim.
Então, numa discussão, numa briga,
Pare um segundo e pense:
"e se eu estiver errado?"

É uma possibilidade na qual raramente
queremos pensar.
Nosso "eu" nos cega muitas vezes.
Nosso ciúme, nosso orgulho e até,
Por que não, nosso amor.
Não vemos o lado do outro
e nem queremos ver.

E somos assim, Muitas
vezes injusto tanto com o
outro quanto com a gente
mesmo, já que nos
recusamos a oportunidade
de aprender alguma coisa
com alguém.
E é por que tanta gente
se mantém nessa posição
que existem desavenças,
guerras, separações.

Ninguém cede e as pessoas acabam
ficando sozinhas.
E de que adianta ter sempre razão,
Saber de tudo, Se no fim o que nos
resta é a solidão?
Vida é partilha.
E não há partilha sem humildade, sem
generosidade, sem amor no coração.

Se fecharmos nossa alma e nosso
coração, nada vai entrar.
E será que conseguiremos nos
bastar a nós mesmos?
Eu duvido.
Não andamos em cordas bambas
o tempo todo,
mas às vezes é o único meio de
atravessar

Nunca duvide do seu poder de
Sobrevivência.

Do texto de Letícia Thompson

Porque nesta vida tudo passa

Nunca seremos plenamente felizes, nem plenamente completos!
Nem com promessas da sociedade de consumo,
nem com religiões milagrosas e “pastores” cheios de palavras,
nem com a visão de um futuro prometido de paz e perfeição.

“Somos eternos insatisfeitos e é isso que nos move, é o que dá sentido a vida.”
É exatamente a falta desse conhecimento;
a perda da certeza de que nunca seremos plenamente felizes,
é que leva muitas pessoas sábias e cheias de vida ao suicídio,
ou ao total alienamento da vida, caindo na depressão profunda,
na mania de perseguição ou nas síndromes silenciosas.

Tudo passa:
a tristeza que parece não ter fim,
a alegria que é tão gritante que não cabe em um sorriso,
a esperança enorme que te guia,
o amor que aconteceu de forma tão louca,
e tudo aquilo que parece eterno,
porque tudo tem um fim.
Tudo tem um ciclo:
tem começo, meio e fim,
até a dor!

Por isso, não se desespere por nada!
A não ser a falta de motivação para viver,
Pois, basta a cada dia, a sua própria experiência.
Tudo se renova, tudo pode ser novo,
inclusive o velho hábito de achar tudo sempre igual.

Seja um champagne de primeira; beba-se!
Seja o prato gourmet delicioso, saboreie-se!
Seja a mágica do impossível, renove-se!
Duvidaram de você, viva, é hora de provar o contrário.
Falaram mal de você? Pura inveja, sinta-se mais forte.
Hoje é o seu dia, todos os dias.

Paulo Gaefke
 

terça-feira, 12 de julho de 2011

São Paulo entre as cidades mais caras do mundo

São Paulo e Rio de Janeiro sobem na lista das cidades mais caras do mundo

12/07/2011 - 12h47 | do UOL Notícias

São Paulo e Rio de Janeiro, as duas maiores cidades brasileiras, estão entre as que mais subiram na lista de localidades com os maiores custos de vida do mundo em 2011, elaborada pela empresa de consultoria econômica Mercer.

Em 2011, São Paulo passou a ocupar o 10º lugar entre as cidades mais caras do mundo e o primeiro da América Latina, subindo 11 posições em relação a 2010.

O Rio de Janeiro, que em 2010 ocupava a 29ª posição, subiu para a 12ª. Já Brasília subiu 37 posições na lista, ficando em 33º lugar.

O ranking compara preços de alimentação, transporte, moradia, entretenimento, roupas e itens de necessidade doméstica em 214 cidades, organizando os dados em relação à estimativa total do custo de vida.

Para a Mercer, as mudanças são um reflexo do crescimento econômico do país - o crescimento do PIB brasileiro em 2010 foi de 7,5%, o maior em duas décadas. No mesmo período, a economia americana cresceu 2,9%, e a da zona do euro, 1,7%.

Aumento dos aluguéis
A pesquisadora da Mercer Nathalie Constantin-Métral disse à BBC Brasil que o principal determinante da escalada das cidades brasileiras no ranking foi a valorização do real em relação ao dólar.

"Além da valorização da moeda, também percebemos um aumento geral dos preços dos itens da cesta básica em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Brasília. Mas o aumento foi ainda maior nos preços das acomodações", disse.

A empresa define como "certa básica internacional" um conjunto de utensílios e serviços dividido em onze categorias: refeições preparadas em casa; álcool e tabaco; utensílios domésticos; cuidado pessoal, serviços domésticos (diaristas e babás, por exemplo); utilidades (água, eletricidade e gás, por exemplo); roupas e sapatos; refeições fora de casa; esporte e lazer; transporte e acomodação (preços de aluguéis de apartamentos e casas na cidade).

"Nas cidade brasileiras, observamos que há um aumento da demanda por acomodação, que está fazendo com que os preços subam", disse Constantin-Métral.

A pesquisa é feita para ajudar empresas multinacionais a avaliar o custo de vida dos funcionários enviados para trabalhar em outros países. O custo de vida na cidade de Nova York é usado como base de comparação, e os preços dos produtos e serviços são comparados em dólar.

No novo ranking, São Paulo está à frente de Nova York, que mudou da 27ª para a 32ª posição, e de Londres, que ocupa o 18º lugar da lista.

A capital de Angola, Luanda, manteve a posição de cidade mais cara do mundo. Cartum, capital do Sudão, foi a cidade que mais subiu no ranking, passando do 141º para o 44º lugar em um ano.

Dicas para agilizar a compra do imóvel

Especialistas dão dicas para agilizar a compra do imóvel
Raphael Hakime, do R7

Quantas vezes você já pensou em sair do aluguel, entrar em um financiamento imobiliário e comprar a casa própria ainda que isso demore até 30 anos? Se falta coragem para assumir o risco de contrair uma dívida tão grande, saiba que o crédito para habitação no Brasil nunca foi tão farto, os juros tão baixos e os prazos tão longos. Para você levantar os recursos para comprar moradia própria, o R7 ouviu especialistas do setor e fez um passo a passo para agilizar o processo.

Antes de decidir comprar a casa própria com a grana dos bancos, o primeiro passo é visitar o site, entrar em contato por telefone ou ainda visitar uma agência bancária pessoalmente para simular a compra. Depois, o futuro mutuário tem que  providenciar a documentação, fundamental para fechar o contrato, explica o gerente executivo de pessoa física de crédito imobiliário do Banco do Brasil, Lúcio Bertoni.

- Às vezes o cliente reluta com a lista [de documentos], até porque o brasileiro tem como característica não entregar toda a documentação. Existe uma cultura de entregar parte dos documentos para o andamento do processo, mas o financiamento não pode sair se não vierem todos os documentos. Isso atrapalha muito a operação de crédito imobiliário e, para o cliente, o relógio começa a contar cedo.

Alexandre Felizardo, gerente de divisão de negócios com pessoa física do banco, sugere que, para agilizar o processo, que demora entre 30 e 60 dias, o mutuário contrate um despachante ou um documentarista para levantar e reunir os documentos. No entanto, esse serviço não é prestado pelo banco e custa, em média, entre R$ 450 e R$ 500 – ou seja, é um gasto extra para o comprador.

O Itaú-Unibanco financia imóveis que custam a partir de R$ 62,5 mil, sendo que o menor empréstimo é de R$ 50 mil. O banco promete aprovar o crédito todos os dias da semana, sendo que os correntistas da instituição podem ter o processo resolvido em até duas horas. O Santander criou um simulador interativo para o interessado em financiar a casa própria - www.santander.com.br/passoapasso.

Nota: Os campeões de financiamento são disparados a Caixa Economica Federal e o Banco do Brasil

Escolha aqui o banco e faça a simulação do financiamento

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Os deveres e direitos dos corretores?

Meu caro deputado Edinho Bez sobre seu  Projeto de LEI 1872/07, sua luta seria mais gloriosa se fosse para nos trazer beneficios reais. Hoje estamos aqui em SP em um stand de vendas com outros 45 corretores que estão na expectativa de atender um cliente neste processo que chamamos de roleta ja da para imaginar o porque né. Nós trabalhamos sem nenhum tipo de garantia, não recebemos vale transporte não temos de ajuda de custo, não existe lei trabalhista que nos ampare, são 40 pessoas disputando a vaga para atender um cliente  num universo entre 1 a 5 clientes num dia bom, o que não é garantia de negocio concretizado ou venda feita. Pagamos pra fazer a propaganda que deveria trazer os clientes a conhecer este produto. Em lançamentos vendas se houver será 2/3 para a imobiiaria e 1/3 para o corretor, ja atuei em varios segmentos mas nunca vi tamanha falta de respeito para com um corpo de vendas como no ramo imobiliario, somos "independentes e autonômos" porem temos que chegar antes das 8:45 e sair após as 17:00hs sobre pena de sofrer sanções.Pôr isso meu caro deputado oxala este seu trabalho viesse nos trazer uma luz no fim do tunel.

Os Imóveis para baixa renda

Minha Casa, Minha Vida avança. Agora, para faixa de renda menor

Está publicado no Diário Oficial da União: o Minha Casa, Minha Vida... ImageAgora já está publicado no Diário Oficial da União (DOU da 6ª feira desta semana): o Minha Casa, Minha Vida, pelo qual o governo federal programa construir mais de dois milhões de moradias, vai erguer nada menos que 1,2 milhão de residências para famílias com renda de até R$ 1,6 mil.

De acordo com a publicação no órgão oficial - mais uma prova de que o programa deslancha - esta meta de construir 1,2 milhão de moradias para famílias dessa faixa de renda será atingida até 2014 com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), do Programa de Subsídio à Habitação (PSH) e do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS).

A portaria do Ministério de Cidades, publicada esta semana, estabelece que o plano de metas de contratação para o exercício de 2011 deverá ser apresentado até o próximo dia 31. Ao anunciar recentemente esta nova etapa do "Minha casa..." a presidenta Dilma Rousseff manifestou sua disposição de fechar contratos para construir mais de 2 milhões de moradias - meta das  fases I e II - caso o programa tenha um bom andamento.

Presidenta Dilma cumpre os compromissos de seu governo


O cumprimento das metas do "Minha casa..." é um compromisso assumido pela presidenta Dilma desde a campanha eleitoral e várias vezes reafirmado nesses meses iniciais de seu governo. Os cálculos indicam que serão necessários investimentos da ordem de R$ 125,7 bi (R$ 72,6 bi de subsídios e R$ 53,1 bi de financiamento) para atingir as metas no programa entre este 2011 e 2014.

Por esta nova tabela publicada, nos municípios das regiões metropolitanas de São Paulo, Jundiaí, São José dos Campos, Jacareí e no Distrito Federal, o preço máximo para compra de um apartamento será de R$ 65 mil, e para casa, de R$ 63 mil. Para as cidades dessas áreas que tenham população entre 20 mil e 50 mil habitantes, o teto estabelecido é de R$ 53 mil para apartamentos e casas. Nos demais, o limite ficou em R$ 57 mil.

No Rio, na capital e regiões metropolitanas, os limites são de R$ 63 mil (apartamento) e R$ 60 mil (casa); para cidades do Estado com população entre 20 mil e 50 mil habitantes, os valores ficaram em R$ 51 mil. Para os demais municípios fluminenses o teto ficou em R$ 55 mil.
Extraido do site do Zé Dirceu. Publicado em 09-Jul-2011-


Minha Nota: Agora vamos ver como vai ficar, pois nesta faixa não se encontra imóveis nem a preço de custo.
aqui na região metropolitana. Isso quer dizer que quem comprar os imoveis que estão mais caros, vai ter que arcar com a diferença do proprio bolso. 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

A bolha imobiliaria na grande SP.

Eu fiz este comentario no blog do luis nassif sobre a bolha imobiliaria aqui em são paulo em função de varios artigos ali expostos e por viver o dia a dia deste mercado.
sugiro quem tiver interesse ler a materia inteira no link;
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-bolha-imobiliaria-em-sao-paulo



Por Carvalho - Aclimação SP


Sou corretor e neste momento estamos vendendo aqui no cambuci indo para aclimação um excelente apartamento de 107m² pelo valor de R$ 780.000,00. O argumento é de que o valor R$ 7.500,00/m² é em função de ser o ultimo terreno disponivel nesta rua a lacerda franco e que houve um atraso de 3 anos na execução do projeto devido a negociação de uma residencia que se recusava a vender ou incorporar. Então realmente é caro porem fica mais dificil comprar terreno e quando compra paga-se caro, outra hipote-se tambem é que se não vender agora pelo valor pedido daqui a 5 cinco meses o comprador que realmente tem interesse vai pagar mais caro ainda.

Lembro que no mercado imobiliario o valor é corrigido pelo INCC - indice nacional da construção civil até a entrega das chaves o que garante o valor pra quem vende mas pra quem compra não é real porque os salarios nunca acompanham estes indices, na minha modesta opinião bolha se houver sera devido a defasagem entre valores de m² e evolução da massa salarial da população.

Dos lançamentos que tenho participado segue os valores de m².
Braz SP - R$ 5.500/m² 2 dormitorios.
Pinheiros - SP R$ 10.000/m² 2 e 3 dormitorios.
Cambuci -SP R$ 5.500/m² 2e 3 dormitorios.
Guarulhos -SP R$ 3500/m² 2 e 3 dormitorios.
Penha - SP R$ 6.000/m² 2 e 3 domritorios.
Aclimação SP R$ 7.500,00/m² 2 e 3 dormitorios.
Espero ter contribuido na discussão e tento tb no meu blog:www.novaresidencia.blogspot.com


Foi assim minha estreia num blog famoso.