quarta-feira, 25 de abril de 2012

Caixa reduz juros para Habitação

Caixa reduz juros para crédito imobiliário em até 21%

Imóveis dentro do Sistema Financeiro da Habitação, avaliados em no máximo R$ 500 mil, terão juros de até 9%

Foto: DivulgaçãoCaixa corta juros no crédito imobiliário em até 21%
A Caixa Econômica Federal reduziu as taxas de juros do crédito imobiliário em até 21%, informou nesta quarta-feira. As novas taxas valerão para contratos assinados a partir de 4 de maio, quando tem início a oitava edição do Feirão Caixa da Casa Própria. A feira acontece em 13 cidades do país até 10 de junho.
Leia mais: Crédito imobiliário cresce 9,9% no trimestre, para R$ 17,6 bilhões
Para imóveis dentro do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), que contempla imóveis avaliados em até R$ 500 mil, os juros hoje são de 10% ao ano para o público geral e 8,9% ao ano para cliente com relacionamento (cliente do banco). Essas taxas caem agora para 9% e 8,4% ao ano, respectivamente. Haverá ainda taxa de 7,9% para cliente que recebe salário no banco.
Para imóveis fora do SFH, os juros atualmente são de 11% ao ano para o público geral e 10,5% ao ano para cliente com relacionamento. Essas taxas caem agora para 10% e 9,2% ao ano, respectivamente. Haverá ainda taxa de 9% para cliente que recebe salário no banco.
Leia: Funcionário público ganha portabilidade de salário em 2012
O vice-presidente de Governo e Habitação da Caixa Econômica Federal, José Urbano Duarte, afirmou que ainda tem espaço para crescimento do crédito imobiliário do País, que deve passar dos atuais 5,3% do PIB para 11% em 2014. Ele disse, no entanto, que o crescimento não se dará na mesma velocidade verificada em 2009 e 2010.
Segundo Duarte, o banco deve rever a projeção de emprestar R$ 90 bilhões neste ano, dado que, até o dia 20 de abril, já emprestou R$ 26,1 bilhões, 43% a mais do que no mesmo período do ano passado. "É uma previsão conservadora. Temos a sensação de que vamos ter de rever a projeção para este ano", afirmou.
Sobre a redução nas taxas de juros anunciadas hoje, Duarte afirmou que a inadimplência está próxima do nível atual, de 1,7%, desde julho de 2010, e que houve ganhos de eficiência e de escala nos últimos anos. Os atrasos estavam em 3% da carteira em julho de 2007. "Estamos nos valendo disso para compartilhar com o cliente parte desses ganhos."
Essa foi a última da série de reduções realizadas pela Caixa neste mês. Na segunda-feira, o banco já havia anunciado a linha Cred Móveis Caixa, que libera R$ 2 bilhões em crédito para cerca de 700 mil famílias atendidas pelo programa habitacional federal Minha Casa, Minha Vida. Além disso, já promoveu duas rodadas de cortes de juros para pessoa física e micro, pequenas e médias empresas em produtos como cheque especial, cartão de crédito e consignado, entre outros.
Mais: Veja se vale a pena trocar de banco para pagar juros menores
A Caixa foi o segundo banco público a anunciar o corte dos juros, atrás do Banco do Brasil . Depois disso, Bradesco, Santander, Itaú Unibanco e HSBC seguiram a tendência e reduziram suas taxas.
Também: Citibank reduz taxas para pessoa física

Do portal IG São Paulo |

segunda-feira, 23 de abril de 2012

O adensamento insustentável de São Paulo


Do blog do Nassif
Prefeito autoriza a venda de 452 mil m2 para o mercado imobiliário.
Publicado Segunda-Feira, 23 de Abril de 2012, às 08:41 | Band / Do Metro SP
A já adensada região da avenida Brigadeiro Faria Lima, no Itaim, na zona sul de São Paulo, deve crescer ainda mais nos próximos anos. O prefeito Gilberto Kassab (PSD) regulamentou a lei que libera a construção de mais prédios na via, uma das áreas mais valorizadas da cidade.
p>Hoje, o metro quadrado na avenida custa cerca de R$ 10 mil. Com a medida, Kassab quer levar mais moradores e empresas para a região. Para isso, o prefeito pode negociar títulos públicos com o setor imobiliário dentro da Operação Urbana Faria Lima. Criada em 1994 pelo ex-prefeito Paulo Maluf (PP) e atualizada em 2004 por Marta Suplicy (PT), ela prevê captar recursos junto à iniciativa privada e investir na região. Os Cepacs (Certificados de Potencial Adicional de Construção) são vendidos em troca da autorização para a construção de edificações acima dos limites previstos pela lei de zoneamento.
Com os empreendimentos, o governo deve arrecadar R$ 2 bilhões. No último leilão da Operação Urbana Faria Lima, em 25 de maio de 2010, cada Cepac foi comercializado por R$ 4 mil.
A administração municipal irá oferecer 452 mil m² ao mercado imobiliário. Os títulos ofertados são suficientes para construir 24 arranha-céus iguais ao Edifício Altino Arantes, o prédio do Banespa, no centro.
Entre as regiões que podem receber mais prédios estão o reurbanizado largo da Batata, os perímetros das avenidas Faria Lima, Pedroso de Morais, Eusébio Matoso e Frederico Herman Jr., além das avenidas Hélio Pellegrino, Santo Amaro e Bandeirantes.
A autorização para a prefeitura liberar mais prédios na região foi aprovada em dezembro do ano passado na Câmara Municipal.
A medida deve afetar ainda mais o trânsito no Itaim. Em 2010, o bairro ganhou 17 mil novos veículos. Para-choque a para-choque, são 69 km de carros.

Em Apeop.org
SP/13/abril/2012
Kassab vende títulos para bancar obras na zona sul
Leilão deve levantar R$ 1,5 bi para projetos
José Benedito da Silva - Folha de São Paulo
O prefeito Gilberto Kassab (PSD) lançou a maior negociação de títulos públicos de sua gestão para levantar ao menos R$ 1,5 bilhão para projetos de revitalização urbanística da região da avenida Jornalista Roberto Marinho, na zona sul.
Serão colocados no mercado 1,7 milhão de Cepacs, títulos do município usados para captar dinheiro com o setor imobiliário e aplicá-lo em projetos destinados a transformar uma área da cidade.
Os Cepacs autorizam o seu portador a erguer um imóvel com área construída acima dos limites previstos no Plano Diretor ou a modificar o seu uso (de residencial para comercial, por exemplo).
O primeiro leilão deste lote, de 600 mil Cepacs, será no dia 24. Os títulos são negociados na Bolsa de Valores. O dinheiro será usado em intervenções na Operação Urbana Água Espraiada, que compreende bairros como Brooklin.
No total, as intervenções estão orçadas em R$ 4,7 bilhões, sendo que R$ 1,3 bilhão já foi arrecadado em outras emissões de Cepacs. As maiores obras são o prolongamento da Roberto Marinho até a rodovia dos Imigrantes e da Chucri Zaidan.
Também estão previstas duas pontes sobre o rio Pinheiros, remoção de favelas e um corredor de ônibus na av. Luís Carlos Berrini. As intervenções enfrentam resistência de moradores, preocupados com a desapropriações de imóveis, aumento da especulação imobiliária e piora do trânsito.

O adensamento insustentável de São Paulo

Por Dê
Comentário no post "O impacto dos complexos imobiliários no trânsito"
E, com o leilão das CEPACS, onde Kassab prevê arrecadar 2bi ( isto é o que dizem para nós pois, a arrecadação, tenham certeza, será bem maior) a situação tende a piorar.  
Do CenárioMT
Kassab libera mais prédios na Faria Lima 

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Que documentos pedir quando comprar um imóvel?

Todo cuidado é pouco! Veja documentos a serem pedidos ao comprar um imóvel


SÃO PAULO – Ao adquirir um imóvel, o comprador deve cercar-se de todos os subsídios que o façam ter certeza de que a propriedade está livre de quaisquer ônus, bem como se o vendedor está livre de dívidas, ou caso as tenha, que possa saldá-las.
Isso porque, segundo explica a advogada, especialista em direito cível e sócia do escritório Braga e Balaban Advogados, Isabella Menta Braga, na maior parte das vezes, os problemas relacionados à venda de imóvel acontecem por conta de dívidas que recaíram sobre o bem em processos judiciais e que não eram do conhecimento do comprador. Como consequência, a pessoa pode perder a propriedade em decorrência de desfazimento do negócio.
“Se uma pessoa adquirir imóvel cuja venda, posteriormente, for verificada como realizada em fraude, ou seja, quando seu proprietário tinha dívidas a quitar, estará correndo o risco de perder o bem, caso não consiga comprovar que foi adquirido em total boa-fé e desconhecimento do débito”, ressalta a advogada.

Documentos
Assim, na tentativa de prever futuros aborrecimentos e dores de cabeça, Isabella aponta quais documentos devem ser pedidos pelo comprador para que o vendedor apresente, antes de fechar negócio.
Segundo ela, a análise dessa documentação possibilitará que o comprador verifique eventuais riscos para o negócio.
Veja lista dos principais:
•Certidão de quitação do IPTU (Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana);

•Certidão de quitação de verba condominial;

•Matrícula atualizada do bem, comprovando ausência de penhora;

•Certidão do distribuidor contendo a relação dos processos judiciais que envolvem o imóvel ou seu vendedor.

CNDT

Recentemente, entrou em vigor a Lei 12.440/11, que criou a CNDT (Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas), que é expedida eletrônica e gratuitamente pela Justiça do Trabalho.
O objetivo da certidão, explica a advogada, é atestar se determinada pessoa (física ou jurídica) está quite com suas obrigações perante a Justiça do Trabalho. Em outras palavras, se existem dívidas com seus empregados, sendo o documento mais um a ser solicitado pelos compradores na hora de comprar uma casa ou apartamento.

Do site yahoo

Comentarios:
Estamos contratando corretores com ou sem experiencia para trabalhar em lançamentos na cidade de São Paulo, damos bolsa integral para o curso de TTI (técnico em transações imobiliarias) que é necessario para se registrar no CRECI e exercer a profissão de corretor. Damos o estagio e treinamento.
basta me enviar o curriculo para agendarmos uma entrevista. Att. CARVALHO - gerente de vendas BrasilBrokers email: loggua@ig.com.br

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Porque o Brasil de Lula e Dilma esta melhor!

Extraído de “Economia Brasileira em Perspectiva” – 14ª Edição Especial – de fevereiro de 2012, do site do Ministério da Fazenda.

PIB

2002 – US$ 500 bilhões
2012 – US$ 2,6 trilhões, o que faz do Brasil a SEXTA economia do Mundo


PIB per capita

2002 – US$ 2,8 mi

2012 – US$ 13,3 mi


Ou seja, os dois casos, o Brasil se multiplicou por CINCO.


Produção de automóveis

2002 – 1,8 milhão de unidades

2011- 3,4 milhões de unidades, o que faz do Brasil o SEXTO maior produtor mundial


Safra de grãos


2002 – 96,8 milhões de toneladas
2011 – 163 milhões (campeão mundial na produção de cana e vice campeão mundial na produção de soja)


Taxa de investimento sobre o PIB


2002 – 16, 4%
2012 – 20,8%


Investimento Estrangeiro Direto

2002 – US$ 16,5 milhões

2011 – US$ 66,6 bilhões – 4o. Lugar em ingressos de IED


Inflação – IPCA

2002 – 12,5%

2012 – 4,7%


Desemprego

2002 – 12,9%
2011 – 4,7 – entre 2002 e 2001 o Nunca Dantes criou 18 milhões de postos de trabalho

Formalização do trabalho

2002 – 45,5%

2011 – 53,2%

Salário Mínimo nominal

2002 – R$ 200
2012 – R$ 622 – ganho real : 66%


Coeficiente de Gini, que mede a desigualdade de renda 

(quanto mais perto de 1, pior)


2002 – 0,589
2011 – 0,541 – queda de 8,9%


Taxa de pobreza (Classe “E” no total da população)

2002 – 26,7%
2012 – 12,8%


Classe C sobre total da população

2002 – 37%
2012 – 50%


Número de matrículas no ensino profissional

2002 – 565 mil
2012 – 924 mil

Percentual da força de trabalho com 11 anos ou mais de estudo

2002 – 44,7%
2012 – 60,5%

Bolsas de Mestrado e Doutorado no Capes e CNPq

2002 – 35 mil
2010 – 74 mil
2013 – 105 mil


Títulos em doutorado

2002 – 6.894
2012 – 13.304


Dívida externa

2002 – US$ 165 bilhões
2011 – US$ – 79,1 bilhões


Reservas Internacionais


2oo2 – US$ 36 bilhões
2012 – US$ 353 bilhões


Exportações

2002 – US$ 60 bilhões
2011 – US$ 256 bilhões


Juros – taxa Selic

2002 – 25% aa
2012 (31 janeiro) – 10,50% (9,75% em março)


Taxa que o Brasil paga em título vendido no exterior

2002 – 12,6% aa
Janeiro de  2012 – 3,5% aa


Dívida do setor público sobre o PIB

2002 – 60,4%
2012 – 36,9%

% da dívida indexada à taxa de cambio

2002 – 45,83%
dez 2011 – 21,89


Despesas de pessoal

2002 – 4,8% do PIB
2012 – 4,4% do PIB

 

Extraido do Blog  do jornalista Paulo Henrique Amorin o conversaafiada.com.br

Para evitar dúvidas que o PiG (*) faz questão de difundir, ele publicou esta “tabelinha”, ou por que a Dilma vai se reeleger, ou por que nenhum tucano, tão cedo, sobe a rampa do Palácio do Planalto:
Aqui segue o link com uma reportagem feita o ex-prefeito de anapolis falando como agia o demostenes e o cachoeira para desestabilizar a democracia e a bandidagem assumir um governo.
A trama por tras da sacanagem

Comentario:
Para o setor imobiliario as noticias são muito boas ou seja o governo incentiva os investimentos baixando os juros do BB e da Caixa e o mercado esta comprador, tambem pudera ainda tem muita gente pare ser atendida na compra da casa nova.
E a venda de imoveis novos em relação a janeiro teve uma alta de 97% segundo o SECOVI.

Com tudo isso acontecendo continuamos contratando corretores pois temos um demanda muito grande de lançamentos. Então se voce tem interesse em ser corretor e trabalhar com imoveis mesmo que não tenho experiencia a hora é agora me envie seu curriculo e vamos agendar uma conversa.
Venha ser corretor de lançamentos na BrasilBrokers, damos bolsa integral para o curso de TTI (técnico em transações imobiliarias) necessario para exercer a função e se cadastrar no CRECI conselho dos corretores de imoveis.

 

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Caixa entra forte no jogo dos juros baixos

Caixa terá juro de 1,35% no cheque especial


Após o Banco do Brasil provocar a concorrência com juros baixos, chegou a vez de a Caixa Econômica Federal surpreender com uma abordagem ainda mais agressiva.
O banco reabre na segunda oferecendo pacotes inéditos para clientes vindos de outros bancos e taxas de cheque especial que começam em 1,35% ao mês --há duas semanas, a média era 8,01%.
A Caixa distribuirá aos correntistas de outros bancos formulários para "migração" da conta-salário e oferecerá linha de financiamento chamada "Crédito Azul", pela qual o cliente poderá quitar a "dívida cara" na concorrência e se refinanciar com juros menores no banco estatal.
Apesar de o BB ser o maior banco brasileiro, a Caixa tem mais capacidade de abordar clientes de outras instituições. Além de ter 80% do crédito imobiliário no país, ela recebe clientes de outros bancos porque é a gestora do FGTS e implementa serviços sociais do governo, como pagamento de seguro-desemprego, PIS, Bolsa Família e o Fies (crédito estudantil). Juntando todos, o banco tem 56,8 milhões de clientes -- quase 30% da população do país.
Bancada pela presidente Dilma Rousseff, a iniciativa dos bancos públicos visa estimular a economia por meio do consumo e forçar Itaú, Bradesco e Santander a reduzirem suas taxas sob o risco de perderem mercado, como ocorreu na crise de 2009.
Se o BB informou que cobrará 3% ao mês no chamado rotativo do cartão de crédito (quando o cliente não paga a fatura integral) só no caso de clientes de outros bancos que aderirem ao banco, a Caixa atacará com um piso de 3,97% ao mês para todos nessa modalidade.
No caso do crédito com desconto em folha de pagamento (consignado), o piso será de 0,84% ao mês, praticamente a mesma taxa de 0,85% que será cobrada pelo BB para aposentados do INSS, linha conhecida pelo baixo risco de calote.
Para crédito pessoal, em um financiamento de R$ 15 mil em 36 meses, as taxas irão variar entre 2,33% ao mês a 2,53%.
A Caixa também anuncia na segunda uma linha de crédito de R$ 8 bilhões para capital de giro direcionado a micro e pequenas empresas.
Para divulgar a redução nos juros, a Caixa fez um anúncio de 30 segundos na TV, estrelado pela atriz Camila Pitanga, batizado de "Caixa Melhor Crédito".
gerentes treinados
Em São Paulo, os gerentes da Caixa receberam ontem um folheto com o material de divulgação do corte nos juros, intitulado "Corte Histórico de Juros na Caixa", com a atriz Camila Pitanga como garota-propaganda ""ela já havia sido a estrela do comercial que mostrou os resultados de 2011 do banco.
  Editoria de Arte/Folhapress  
NOVOS CLIENTES
A ideia da ofensiva da Caixa, segundo comentou um gerente, é captar aqueles que ainda não são clientes, oferecendo algumas vantagens para que estabeleçam um vínculo sólido com a instituição financeira.
A Caixa promete anunciar um novo sistema para estimular a portabilidade, mecanismo em que o cliente transfere pagamentos e dívidas de um banco para outro.
A "portabilidade de dívidas" está disponível desde 2007, mas ainda não decolou. Isso porque, quando um cliente deseja migrar o empréstimo de um carro, por exemplo, tem de arcar com todos os custos burocráticos e cartoriais, o que anula ganhos com redução de juros.
Procurados, Itaú e Bradesco disseram que estudam medidas semelhantes. O Santander afirmou que já tem reduzido as taxas para manter sua competitividade.
com Claudia Rolli e Marianna Aragão, de São Paulo
MAELI PRADO
DE BRASÍLIA
TONI SCIARRETTA
FABIO MAZZITELLI
DE SÃO PAULO
direto Do blog do Nassif
 
Comentario:
A diminuição dos juros vem em muito boa hora, fica faltando agora o governo diminuir as tarifas dos serviços, pois taxas e multas por atrasos estão muito exorbitantes para um pais com inflação anual na casa dos 4%, não podemos ter multas de 20% para determinados atrasos.