sexta-feira, 18 de maio de 2012

Como chegar no feirão da Caixa?





Local: Centro de Exposições Imigrantes (Rod. dos Imigrantes, km 1,5, Água Funda - a 850 metros da estação de metrô Jabaquara)
Data: 18 a 20 de maio de 2012
Horário: sexta-feira e sábado, das 10h às 21h, e domingo, das 9h às 18h
Transporte: micro-ônibus gratuitos sairão já estação Jabaquara do metrô até o Feirão (ida e volta) - início do serviço uma hora antes da abertura e encerramento uma hora depois
Entrada: gratuita

Nesta sexta feira tivemos muito trabalho no feirão da Caixa que começou hoje no centro de exposição imigrantes aqui em São Paulo, e tudo indica que o sabado e domingo terá numero record de visitas.
Se voce esta procurando o seu primeiro imovel faça uma visita ao nosso stand da Atua construtora ou da Kallas pois temos muitas oportunidades e facilidades de pagamento e financiamento



Se voce quer se tornar um corretor de imóveis me envie seu curriculo.

BOLSA DE 100% EM CURSO DE TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS
Oportunidade unica na Brasil Brokers na av. sumare,1700 SP, para contratação de corretores e ou interessados que desejam entrar para o ramo Imobiliário! Alem da Bolsa de 100% do curso de TTI (técnico em transações imobiliarias) Damos o treinamento necessário, essa é a nossa proposta Investir em profissionais comprometidos, que precisam de BOAS oportunidades. Indique aos colegas, passe essa oportunidade adiante, basta me procurar!!
CARVALHO - GERENTE DE VENDAS
EMPRESA: BRASIL BROKERS
Email: loggua@gmail.com //// 9669-1321

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Feirão da Caixa precisa do corretor de imoveis!

Faltam 30 mil corretores de imóveis na cidade de SP

O mercado imobiliário da cidade de São Paulo precisa de mais 30 mil corretores. A estimativa é do Sindicato dos Corretores de Imóveis do Estado (Creci-SP). A falta de profissionais para essa função é consequência do bom momento que vive o setor, cujas vendas se mantêm em alta. O salário médio para quem escolher a carreira é atrativo: cerca de R$ 6 mil.

“O mercado está carente de corretores de imóveis. E o momento bom para trabalhar no setor vai continuar ainda por um tempo”, afirma Aparecido Viana, presidente da Viana negócios imobiliárias.
No primeiro trimestre deste ano foram 5,4 mil unidades novas vendidas na capital – número 26,6% maior que no mesmo período de 2011, quando foram negociadas 4,3 mil. Isso apesar de o primeiro trimestre ser o menos movimentado do ano por conta de gastos com IPTU, IPVA e matrícula escolar, por exemplo. “Isso quer dizer que espera-se um movimento ainda maior na segunda metade do ano”, diz Roberto Akazawa, economista do Sindicato da Habitação (Secovi).

A remuneração mensal média de quem trabalha como corretor em São Paulo gira em torno de dez salários mínimos (R$ 6.220). Mas para iniciar na profissão, o interessado tem de fazer um curso técnico e se credenciar no Creci. “É um investimento que ele faz em uma carreira que pode ser muito promissora, afirma Aparecido Viana. Segundo ele, o custo para se qualificar pode ser de R$ 1 mil. A duração para um curso presencial é de 18 meses e, enquanto estuda, o candidato tem a possibilidade de estagiar em uma imobiliária.

A motivação para passar por tudo isso vem do fato de um corretor mais experiente chegar a ganhar R$ 30 mil por mês, afirma José Augusto Viana Neto, presidente do Creci-SP. E a boa notícia é que o mercado absorve pessoas com diferentes históricos profissionais e não há restrição de idade. “Já vi advogados, médicos veterinários, jornalistas, fisioterapeutas, pessoas formadas em todo tipo de curso que começam na carreira”, afirma Viana Neto.

Antes de começar, no entanto, é importante que o corretor saiba que, apesar de a profissão poder remunerar muito bem, é inconstante. “Haverá meses nos quais ele poderá não vender nada”, ressalta Viana Neto. O corretor não ganha um salário fixo, só uma porcentagem do que vende. Normalmente um iniciante ganha de 0,85% a 1% do valor do imóvel vendido. “Podemos calcular uma renda por volta de R$ 2 a R$ 4 mil por mês”, diz Viana Neto.

Rosimeire Costa, de 49 anos, que estuda para ser corretora e ainda faz estágio, está ciente da inconstância da renda nessa área. A estratégia dela é ter uma reserva para começar no setor. “A pessoa pode levar de três a seis meses para fazer a primeira venda”, diz. Ela sempre trabalhou na área de finanças e vendas. “Quis entrar para esse setor pela flexibilidade de horários.”

Os passos seguintes à função de corretor são coordenador de plantão, gerente de equipe, superintendente e diretor comercial. “Para crescer, o profissional tem de se tornar alguém em quem as pessoas confiam”, diz Viana Neto.
Do site publicidadeimobiliaria.com
 
Comentario: O corretor é um profissional autonomo e tem que aprender a trabalhar como uma microempresa, gerenciar a sua carteira de clientes a fazer captação de outros potenciais. A remuneração como em qualquer empresa é o resultado das vendas feitas.
Cito dois casos que acompanhei este mês, caso1, a corretora faz ligações quase o dia todo e visita os seus clintes sempre oferecendo o produto, em 40 dias dias o resultado foi 15 vendas e a comissão de cada venda foi de R$ 6.000 seis mil reais, total R$ 90.000,00. Caso2 A corretora estava num ponto de divulgação ou captação de clientes dentro de um supermercado na agua branca, fez a divulgação e o interesse foi tanto que no mesmo dia o cliente foi ao stand de vendas com outro amigo e compraram duas unidades de salas comerciais, este cliente indicou dois amigos que tambem compraram outras duas unidades, total de vendas em 30 dias 4 unidades, R$ 24.000 vinte e quatro mil reais nos dois casos foi sorte acompanhada de muito trabalho.Tenho muitos bons exemplos para escrever que daria um livro.
É fundamental a pessoa acreditar que é possivel atingir seus objetivos! e é fundamental a pessoa trabalhar para atingir seus objetivos!



A Brasilbrokers esta contratando corretores com ou sem experiencia para trabalhar em lançamentos na cidade de São Paulo. Estamos pagando o curso de TTI técnico em transações imobiliarias que é necessario para se inscrever no CRECI e exercer a função de corretor. Damos o estagio e o treinamento na area. Enviar o curriculo no email: carvalhorodrigues@brbrokerssp.com.br    ac. gerente CARVALHO


Os corretores terão muito trabalho neste final de semana em função do feirão caixa.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

A casa propria e as taxas de juros

Quer comprar a casa própria? Veja as taxas de juro do crédito imobiliário

A Caixa continua com menores cobranças, mas cliente pode melhorar condições do empréstimo em qualquer banco se for correntista antigo ou possuir investimentos.


Foto: Getty Images
Menor taxa para imóvel de mais de R$ 500 mil é 8,8% ao ano + TR
Apesar do corte nas taxas de juros em diversas modalidades de crédito, feito por bancos do País desde o mês passado, a categoria habitacional ficou intocada em quase todos eles. Com exceção da Caixa Econômica Federal, que anunciou a queda nos juros imobiliários, de até 21%, Banco do Brasil, Bradesco, HSBC, Itaú e Santander ainda tratam com cautela essa questão.
Veja mais sobre Casa Própria

De acordo com informações do Banco do Brasil, a instituição está sempre estudando alternativas para melhorar as condições do Crédito Imobiliário, mas com as alterações na remuneração da poupança, o assunto está em discussão, por enquanto. Hoje, entre as instituições citados acima, o banco possui uma das melhores taxas de juros para o financiamento de imóveis, perdendo apenas para a Caixa.
Para alguém que quer comprar imóvel residencial, com custo inferior a R$ 500 mil, valor que se encaixa dentro do SFH (Sistema Financeiro de Habitação), e pode dar uma entrada de cerca de 20% do total, a melhor taxa de juros possível do Banco do Brasil seria de 8,4% ao ano mais a TR (Taxa Referencial). Se o imóvel custar mais que R$ 150 mil, o percentual chega a 10% ao ano. Já o Bradesco oferece taxa de 8,9% ao ano, para o mesmo perfil até 10,5%, enquanto os mesmos números do HSBC estão entre 9,5% e 10,75% ao ano nas condições semelhantes.
 
Imóvel de até R$ 500 mil
Melhores taxas para quem pode dar entrada de cerca de 20%
Caixa...................... 7,8% + TR 
Banco do Brasil..... 8,4% + TR
Bradesco.................8,9% + TR
HSBC..................... 9,5% + TR
Itaú Unibanco........ 11% + TR
Santander ...............11% + TR


Os bancos Itaú e Santander trabalham com médias de juros de 11% ao ano em geral. O Itaú ainda oferece um tipo de crédito cuja taxa começa em 11,5% ao ano e passa a ser 10,35% após 36 meses de financiamento. Lembrando que a TR deve ser somada a todas as taxas, como foi explicado no exemplo do Banco do Brasil.
Para esse mesmo valor de imóvel, a Caixa cortou as taxas de juros de 10% ao ano para até 7,8% mais a TR, dependendo do grau de relacionamento do cliente com o banco. Esses novos percentuais passaram a valer no último dia 4 de maio.
Veja ainda: Planeje-se para aproveitar os cortes das taxas de juros
 
Imóvel de R$ 500 mil ou mais
Melhores taxas para quem pode dar entrada de cerca de 20%
Caixa......................... 8,8% + TR
Banco do Brasil........ 11% + TR
Bradesco....................
11% + TR
HSBC........................
11% + TR
Itau Unibanco............
11% + TR
Santander
...................11% + TR

Quando o perfil muda, aumentando o valor do imóvel para mais de R$ 500 mil, as taxas também sobem. O Banco do Brasil, Bradesco, HSBC, Itaú e Santander cobram juros de 11% ao ano mais a TR para financiamentos desse tipo. No HSBC é possível encontrar também uma outra linha, cujos juros chegam a 12,68% mais a TR, e o Itaú, assim como no perfil anterior, tem uma opção na qual os juros podem diminuir após 36 prestações.
Já a Caixa oferece juros de até 8,8% ao ano mais TR, taxa que antes da redução anunciada mês passado, era de 11%.
Além do Banco do Brasil, o HSBC também informou, por meio de sua assessoria de imprensa, estar estudando possíveis alterações nas taxas para o futuro. Já o Bradesco, Itaú e Santander evitaram fazer qualquer tipo de previsão sobre os números.
Leia também: Caixa reduz juros para crédito imobiliário em até 21%
Taxas variam de acordo com cliente
Um ponto importante na hora de escolher seu crédito imobiliário é que cada banco negocia uma taxa para um determinado tipo de cliente. Entre os itens que podem diminuir os juros de um financiamento estão:
- Ser cliente e receber salário no banco
- Possuir investimentos, títulos de capitalização realizar pagamentos no prazo na instituição
- Ter uma renda mais alta
- Buscar imóvel com valor mais baixo (menos de R$ 150 mil)

Os bancos também possuem uma cota máxima de comprometimento da renda do comprador para ser utilizada no pagamento das parcelas do crédito imobiliário. No geral, pode-se gastar 30% da renda líquida mensal da pessoa ou do casal, o que significa que se o seu salário é R$ 5 mil, apenas R$ 1,5 mil poderá ser revertido para pagamento das prestações. E o prazo máximo chega a 30 anos para quitar todo o valor.
Algumas instituições também oferecem taxas pós-fixadas, que não variam conforme a TR. Pode-se optar por pagar sempre o mesmo percentual de juros, porém ele costuma ser mais alto do que a taxa prefixada, com parcelas atualizáveis, como os exemplos acima. No entanto, o melhor é conversar com o gerente do banco para saber se esta é a melhor opção para o seu caso.
Leia ainda: Começa o 8º Feirão Caixa da Casa Própria
Tarifas extras
Mais um cuidado essencial para quem está querendo comprar um imóvel é verificar as outras taxas cobradas no financiamento, como os seguros, tarifas de avaliação e taxa de administração do contrato.
Os seguros MIP (morte e invalidez permanente do usuário) e DFI (danos físicos ao imóvel), por exemplo, têm custos que podem variar de acordo com a seguradora, idade do comprador e valor do imóvel. Na Caixa, para um imóvel de R$ 300 mil, o custo efetivo do seguro habitacional é de 4% ao ano. No Itaú, o percentual é de 3,8% ao ano em um imóvel de R$ 300 mil, para um comprador de 30 anos e renda de R$ 7 mil. No HSBC, com a Allianz como seguradora, o mesmo número é de 2%, segundo simulação de crédito feita no site do banco.
A recomendação dos bancos, caso a compra seja feita por um casal, é informar a maior idade entre os cônjuges.
Veja também: Redução de juros da CEF frustra consumidores em Feirão
As tarifas de avaliação dos bens recebidos em garantia também variam entre as instituições financeiras. No Bradesco, ela custa R$ 800. No Banco do Brasil sobe para um total de R$ 850. No Santander chega a R$ 990 e no Itaú R$ 1.215.
Já a taxa de administração do contrato é de R$ 25,00 ao mês na maioria dos bancos.
Portanto, deve-se ficar sempre atento ao CET (Custo Efetivo Total) dos financiamentos, percentual que embute tarifas, seguro e outros custos envolvendo o crédito naquela determinada situação e banco.
Os interessados em saber valores dos juros, CET entre outras despesas para algum caso específico, podem fazer simulações de crédito nos sites dos bancos. Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, HSBC, Itaú e Santander possuem essa ferramenta on-line, permitindo que o comprador coloque sua idade, renda, valor do imóvel, entre outras informações, e apresenta um cálculo básico sobre os gastos e prestações a serem pagas.

Thatiane Faria Barroso, especial para o iG |

Comercial:
A brasilbrokers esta contratando corretores de imoveis para trabalhar em lançamentos com ou sem experiencia, damos bolsa integral para o curso de TTI técnico em transações imobiliarias que é necessario pra se cadastrar no CRECI e poder exercer a profissão.
Tratar com o gerente CARVALHO 96691321 - email: loggua@gmail.com

domingo, 13 de maio de 2012

Países de língua portuguesa priorizam economia verde inclusiva

O encontro foi na ilha do sal em Cabo Verde


Água e agricultura sustentável são temas centrais
Economia verde inclusiva, produção rural sustentável e preservação da água são prioridades ambientais dos oito países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) - que fizeram em maio a 5ª Reunião dos Países da CPLP, na Ilha do Sal, em Cabo Verde. O documento com a proposta dos países lusófonos será apresentado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).
O chefe da Assessoria Internacional do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Fernando Coimbra, liderou a delegação brasileira na reunião, que contou com a participação de representantes dos ministérios do Meio Ambiente de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e Brasil.
“O encontro foi preparatório para a Rio+20, com discussões abertas em busca do fortalecimento ambiental e social da comunidade dos países de língua portuguesa”, destaca o gestor do Departamento de Combate à Desertificação da Secretaria de Extrativismo de Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, Ricardo Padilha, um dos representantes do Brasil na reunião. Entre os temas que serão levados à Rio+20 estão o uso, o abastecimento e a melhoria da oferta de água nas grandes metrópoles mundiais. Também será abordada a necessidade de equilíbrio do ecossistema e mitigação dos gases de efeito estufa.
Águas - Como parte das discussões sobre água, a comunidade lusófona defendeu atenção especial à economia azul, setor representado hoje pela preservação da água, oceano, rios, e nascentes, além dos recifes. A proposta inclui a manutenção da biodiversidade nas costas como meio de garantir o equilíbrio do ecossistema marinho. “A posição do Brasil e demais representantes da CPLP é de preocupação tanto com a qualidade ambiental do continente quanto dos mares, além do combate à acidez nos oceanos, reflexo do aumento das emissões de CO2”, explica Padilha. Ele destacou também a economia verde inclusiva na pauta de deliberações.
A segurança alimentar, por meio do fomento à produção sustentável da agricultura familiar, foi consenso nas discussões, com a inclusão do tema no documento que será levado à Rio+20. Segundo Padilha, o Brasil e os outros sete países da comunidade de língua portuguesa querem reforçar o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar em todo o mundo, como garantia para uma vida saudável. Todos os representantes da CPLP defendem a segurança alimentar como ação prioritária para o crescimento sustentável de qualquer nação.

por Secom em 11/05/2012 19:26hs


Anuncio de emprego:
Estamos contratando corretores de imoveis com ou sem experiencia damos treinamento e bolsa integral para o curso de TTI - técnico em transações imobiliarias que é necessario para se inscrever no CRECI e exercer a profissão. Venha trabalhar na Brasilbrokers uma das maiores imobiliarias do pais presente em 16 estados. Tratar com CARVALHO gerente de vendas - 96691321 email: loggua@gmail.com






quarta-feira, 9 de maio de 2012

Banco do Brasil reduz juros para micro e pequenas empresas

 Mais uma boa noticia do dia para os pequenos e microempresarios.
O Banco do Brasil anunciou uma nova redução de juros para micro e pequenas empresas. As medidas integram o programa "Bom para Todos".
As empresas que aderirem à Assessoria Financeira Pessoa Jurídica --que monitora o uso de cheque especial e cartão de crédito empresarial por meio de mensagens eletrônicas-- poderão ter acesso a taxas de 3,94% ao mês no cheque especial. A taxa antiga é de 9,13%.
Também foram reduzidos os juros das linhas de capital de giro BNDES Capital de Giro Progeren e BB Capital de Giro Mix Pasep.
No primeiro caso, a taxa mínima passou de 0,96% ao mês para 0,89% ao mês. Na segunda linha a mínima passou de TR (Taxa Referencial) mais 2,14% ao mês para TR mais 0,99% ao mês. Segundo o banco, isso equivale a 1,01% ao mês.
Outra medida anunciada é uma promoção para antecipação de valores das vendas do Dia das Mães.
"Os recebíveis (cheques pré-datados, duplicatas ou cartões de crédito) poderão ser convertidos em capital de giro com juros a partir de 1% ao mês, ante uma taxa média de 1,3% ao mês. Com isso, os empresários poderão obter recursos para pagar fornecedores, compromissos e repor seus estoques", informou.
Clientes com operações nas duas principais linhas de capital de giro do banco terão carência no pagamento de até três parcelas nas novas liberações de crédito. "O objetivo é conceder folga financeira às empresas, aliviando as necessidades de giro."
 
PORTABILIDADE DE DÍVIDA
O banco ainda prorrogou até o final de junho as taxas e prazos para quem contratar empréstimos para liquidar suas operações em outros bancos.
As taxas disponíveis são a partir de 0,89%, com prazo de pagamento de até cinco anos, com carência de até seis meses.

Comentario:
O Governo Dilma tem sinalizado e agido para abaixar as taxas de juros e assim ajudar o crescimento do pais, a medida esta sendo elogiada até pelos analistas normalmente avessos a tudo que o governa dela produz. Para nós do mercado imobiliario mais boas noticias com a queda de juro o financiamento da casa propria ficou mais atraente e muitos incorporadores ja estão adiantando os lançamentos.
Dai estamos contratando corretores de imoveis com ou sem experiencia para trabalhar em lançamentos, como esta mão de obra ficou escassa a solução estamos pagando integralmente o curso de TTI técnico em transações imobiliarias e damos treinamento e acompanhamento os novos candiadatos.
Achou interessante indique aos amigos pode me mandar o email ou ligar agendando entrevista.
Carvalho gerente de vendas Brasilbrokers