terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Petroleo o alvo da vez é o Brasil

A cobiça internacional pelo nosso petroleo
O Brasil é o alvo de Washington para destruir o BRICS
O ano de 2015 vai ser uma aventura, não só para o Brasil, mas para todo o mundo.
F. William Engdahl para o New Eastern Outlook - NEO
O mundo já não aceita com a devida submissão, como o fazia em décadas passadas, a ordem da marcha ditada por Washington.
A recém-reeleita presidente do Brasil, Dilma Rousseff, sobreviveu a uma enorme campanha de desinformação do Departamento de Estado norte-americano para ganhar um segundo turno contra Aécio Neves, apoiado pelos EUA, em 26 de outubro. No entanto, já é claro que Washington abriu uma nova frente de assalto contra um dos principais líderes do grupo dos países não-alinhados das economias emergentes - Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul - BRICS. Com uma larga escala de ataque de guerra financeira americana para enfraquecer a Rússia de Putin e uma série de desestabilizações destinadas à China, incluindo recentemente o financiamento do EUA para a "Revolução Umbrella", se livrar do presidente com espírito socialista do Brasil é uma prioridade para deter o emergente pólo do Novo Mundo contra a (des) Ordem de Washington.
A razão pela qual Washington quer se livrar de Rousseff é clara. Como presidente, ela é uma das cinco cabeças dos BRICS que assinaram a formação do Banco de Desenvolvimento do BRICS de US $ 100 bilhões e um fundo de moeda de reserva no valor de mais outros 100 bilhões de dólares americanos. O banco também suporta uma nova moeda de reserva internacional para complementar para, eventualmente, substituir o dólar. Dentro do Brasil, ela é apoiada por milhões de brasileiros de baixa renda que foram retiradas da pobreza por seus diversos programas, especialmente o Bolsa Família, um programa de subvenção econômica para as famílias de baixa renda. O Bolsa Família apresentou um número estimado de trinta e seis milhões famílias retiradas da pobreza por Rousseff e as políticas econômicas de seu partido, algo que cria apoplexia em Wall Street e Washington.
A campanha do seu rival, Aécio Neves, do Partido da Social Democracia Brasileira (Partido Social da Democracia Brasileira - PSDB), apoiada pelos Estados Unidos, serve aos interesses dos magnatas e seus aliados de Washington.
O principal assessor econômico de Aécio Neves, "que teria se tornado ministro das Finanças na presidência Neves era Arminio Fraga Neto, um grande amigo e ex-sócio de Soros e seu fundo Quantum de hedge. O conselheiro sênior de Neves e, provavelmente, Ministro dos Negócios Estrangeiro, se ele tivesse ganhado, era Rubens Antônio Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Washington e hoje um diretor sênior da ASG com sede em São Paulo.
A ASG é o grupo de consultoria de Madeline Albright, ex-secretária de Estado dos EUA durante o bombardeio da Iugoslávia pelos EUA em 1999. Albright, diretora do Council on Foreign Relations, think-tank líder dos EUA, é também presidente prime da ONG "Revoluções Coloridas", do Instituto Nacional Democrático (NDI) do Governo dos EUA. Não surpreendentemente, Rubens Antônio Barbosa, durante a campanha recente, defendeu o reforço das relações Brasil-Estados Unidos e uma diminuição dos fortes laços Brasil-China, desenvolvidos por Dilma Rousseff, na sequência de revelações de espionagem dos EUA através da NSA sobre Rousseff e seu governo.
Escândalos de Corrupção Emergentes
Durante a campanha eleitoral acirrada entre Dilma e Neves, a oposição de Neves deu início aos rumores que Dilma Rousseff, que até agora nunca tinha sido associada à corrupção, tão comum à política brasileira, estava implicada em um circulante escândalo envolvendo a gigante estatal de petróleo, a Petrobrás. Em setembro, um ex-diretor da Petrobras alegou que os membros do governo de Dilma Rousseff receberam comissões sobre contratos assinados com a gigante do petróleo que foram então usados ​​para comprar apoio no Congresso. Dilma Rousseff serviu no conselho de administração da empresa até 2010.
Agora, em 2 de novembro, apenas alguns dias após vitória suada de Dilma, a maior empresa de contabilidade dos EUA, a PriceWaterhouseCoopers, se recusou a assinar a lucros do terceiro trimestre da Petrobras. PWC exigiu investigação mais ampla sobre o escândalo de corrupção envolvendo a empresa estatal de petróleo.
A PricewaterhouseCoopers é uma das empresas de contabilidade dos EUA mais dominadas por escândalos. Ela foi implicada de encobrir fraude no grupo de seguros AIG por em 14 anos, quando esteve no centro da crise financeira de 2008 nos EUA. E a Câmara dos Lordes britânica em 2011, criticou a PwC por não chamar a atenção para os riscos do modelo de negócio seguido pelo Northern Rock Bank, que teve de ser socorrido pelo governo do Reino Unido no grande desastre da crise financeira imobiliária da Grã-Bretanha de 2008. Os ataques contra Rousseff serão aumentados, podemos ter certeza.
A Estratégia Global de Dilma
Não é meramente a aliança de Dilma com os países do BRICS que fez dela um alvo principal de desestabilização de Washington. Sob seu mandato, o Brasil está se movendo rapidamente para dissociar dos EUA, a partir da divulgação da sua vulnerabilidade e a vigilância eletrônica da NSA.
Dias depois de sua reeleição, a estatal Telebrás anunciou planos para construir um grande cabo submarino de fibra óptica de telecomunicações para Portugal, através do Atlântico. O planejado cabo da Telebrás terá extensão de 3500 milhas, a partir da cidade brasileira de Fortaleza para Portugal. Ele representa um grande pausa nas comunicações transatlânticas com tecnologia de dominação americana. Notavelmente, o presidente da Telebrás, Francisco Ziober Filho, disse, em uma entrevista, que o projeto de cabo será construído sem a participação de nenhuma empresa dos Estados Unidos.
As revelações Snowden sobre a vigilância da NSA, em 2013, entre outras coisas, mostraram os laços íntimos de importantes empresas estratégicas de TI, como a Cisco Systems, Microsoft e outros com a comunidade de inteligência dos EUA. Ele afirmou que "a questão da integridade dos dados e a vulnerabilidade é sempre uma preocupação para qualquer empresa de telecomunicações."
O Brasil tem reagido aos vazamentos da NSA, fazendo auditorias minuciosas de todos os equipamentos de fabricação estrangeira para verificar se há vulnerabilidades de segurança e acelerou o movimento do país em direção à auto-suficiência tecnológica de acordo com o chefe da Telebrás.
Até agora, praticamente todo o tráfego de transatlântico de TI é encaminhado via da costa leste da EUA para a Europa e África dá grande vantagem de espionagem para Washington
Reagindo aos vazamentos de Snowden, o governo Dilma Rousseff ordenou a rescisão de contratos com a Microsoft para os serviços de e-mail do Outlook. Rousseff declarou na época que era para ajudar a "evitar uma possível espionagem". Em vez o Brasil vai implantar o seu próprio sistema nacional de e-mail, chamado Expresso, desenvolvido pela estatal Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). O Expresso já é utilizado por 13 dos 39 ministérios do país. O porta-voz do Serpro, Marcos Melo, afirmou que o "Expresso está 100 por cento sob o nosso controle." Se for verdade ou não, está claro que, sob o governo Dilma Rousseff e seu partido, o Brasil está perseguindo o que ela vê como o melhor para o interesse do Brasil.
A Geopolítica Chave do Petróleo
O Brasil também está se afastando da dominação anglo-americana na sua exploração de petróleo e gás. No final de 2007, a Petrobras descobriu uma nova bacia gigantesca de petróleo estimado de alta qualidade na Plataforma Continental Brasileira offshore na Bacia de Santos. Desde então, a Petrobras tem explora 11 poços de petróleo na Bacia de Santos, de forma bem sucedida. No campo de Tupi e Iara sozinhos, a Petrobras estima que existam 8-12 milhões de barris de petróleo recuperável, o que pode quase duplicar as atuais reservas de petróleo brasileiras. No total, a plataforma continental do Brasil poderia conter mais de 100 bilhões de barris de petróleo, transformando o país em uma grande potência de petróleo e gás, algo que a Exxon e a Chevron, as gigantes de petróleo dos EUA têm tentado mas tornou-se difícil de controlar.
Em 2009, de acordo com o vazamento de telegramas diplomáticos norte-americanos publicados via Wikileaks, a Exxon e a Chevron solicitaram ao Consulado dos EUA no Rio, para tentar, em vão, alterar uma lei proposta pelo mentor e antecessor de Dilma no Partido dos Trabalhadores do Brasil, o presidente Luis Inácio Lula da Silva, ou Lula como ele é chamado.
Essa lei de 2009 fez tornou a Petrobras estatal a operadora-chefe de todos os blocos offshore. Washington e os gigantes de petróleo dos EUA estavam furiosos com a perda de controle sobre a chave da, potencialmente, maior nova descoberta de petróleo único em décadas.
Para piorar as coisas, aos olhos de Washington, Lula não só empurrou a ExxonMobil e a Chevron para fora da posição de controle em favor da estatal Petrobras, mas também abriu a exploração de petróleo do Brasil para os chineses. Em dezembro de 2010, em um de seus últimos atos como presidente, ele supervisionou a assinatura de um acordo entre a empresa de energia brasileiro-espanhola Repsol e a estatal Sinopec da China. A Sinopec formou uma joint venture, a Repsol Sinopec Brasil, investindo mais de 7,1 bilhões dólares na Repsol Brasil. Já em 2005 Lula havia aprovado a formação da Sinopec International Service Petroleum do Brasil Ltda como parte de uma nova aliança estratégica entre a China e o Brasil, uma precursora da atual organização BRICS.
Washington Está Infeliz
Em 2012, em uma perfuração de exploração conjunta, da Repsol Sinopec Brasil, a norueguesa Statoil e a Petrobras fizeram uma nova e importante descoberta no Pão de Açúcar, o terceiro no bloco BM-C-33, que inclui o Seat e o Gávea, este último um das 10 maiores descobertas mundo em 2011. Os EUA e grandes petrolíferas britânicas estavam longe dalí.
Como as relações entre o governo de Dilma Rousseff e a China, bem como a Rússia e os outros parceiros do BRICS aprofundaram-se em maio de 2013, o vice-presidente dos EUA, Joe Biden fez um trio para o Brasil, onde sua agenda foi focada no desenvolvimento de petróleo e gás. Ele se reuniu com a presidente Dilma Rousseff, que sucedeu seu mentor Lula em 2011. Biden também se reuniu com as empresas de energia líderes no Brasil, incluindo a Petrobrás.
Enquanto pouco foi dito publicamente, Dilma Rousseff se recusou a reverter a lei do petróleo de 2009, para se adequar a forma adequada de Biden e Washington. Dias após a visita de Biden vieram as revelações Snowden sobre a NSA, revelando que os EUA também haviam espionado Rousseff e altos funcionários da Petrobras. Ela estava lívida e denunciou a Administração Obama em setembro perante a Assembleia Geral da ONU por violar a lei internacional. Ela cancelou uma visita planejada a Washington em protesto, depois que as relações EUA-Brasil deram um mergulho.
Antes da visita de Biden, de maio 2013, Dilma Rousseff tinha 70% de índice de popularidade. Menos de duas semanas depois de Biden deixar o Brasil, os protestos explodiram em todo o país, comandado por um grupo bem organizado chamado Movimento Passe Livre, reclamando do aumento de mais de 10 centavos na tarifa de ônibus, levando o país praticamente ser paralisado e ficar muito violento.  Os protestos traziam a marca de uma típica "revolução colorida" ou a Twitter desestabilização, que parece seguir Biden onde quer que ele se faça presente. Dentro de poucas semanas a popularidade de Dilma caiu para 30%.
Washington tinha enviado claramente um sinal de que Rousseff deveria mudar de curso ou enfrentaria problemas sérios. Agora que ela ganhou a reeleição e derrotou os oligarcas da oposição de direita bem financiados, Washington vai tentar, claramente, com energia renovada se livrar de outro líder do BRICS em uma tentativa, cada vez mais desesperada, de manter o status quo. Parece que o mundo já não se encaixa com atenção, como o fazia em décadas passadas, quando Washington ditava a ordem da marcha. O ano de 2015 vai ser uma aventura, não só para o Brasil, mas para todo o mundo.
F. William Engdahl é consultor de risco estratégico e professor formado em política na Universidade de Princeton. Escreve sobre petróleo e geopolítica, exclusivamente para a revista on-line "New Oriental Outlook".

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

O dia em que o jornal o globo levou um chute nas bolas

Michelle, da Petrobras,
dá uma bofetada no Globo

“… cada vez fica ainda mais evidente a necessidade de uma democratização da mídia, que proporcionará acesso a uma diversidade de informação maior à população que atualmente é refém de uma mídia que não tem respeito com o seu leitor e manipula a notícia em prol de seus interesses …”

  • V


MICHELLE: “EU SOU PETROBRAS, VOCÊ É GLOBO”. UMA GENTIL BOFETADA NA MENTIRA E NAHIPOCRISIA



Não precisa de qualquer comentário, exceto o de que há dignidade neste mundo, a carta da petroleira Michele Daher Vieira ao jornal O Globo e à repórter Letícia Vieira, autora do texto Petrobras: a nova rotina do medo e tensão na estatal.

Michele é uma das pessoas que aparecem na foto usada pelo jornal para induzir o leitor a que, de fato, há um clima de terror na empresa, com medo de “de represálias e de investigações”, além de demissões.

A carta de Michelle é um orgulho para os sentimentos de decência humana e uma vergonha para a minha profissão, que deveria ser a de buscadores da verdade e não da construção da mentira.

E a prova de que gente como Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco e outros que engordaram roubando a Petrobras são um grão de areia entre milhares e milhares de homens e mulheres de bem, que trabalham ali não só como profissionais corretos e competentes, mas como brasileiros que amam o seu país.

CARTA ABERTA À LETICIA FERNANDES E AO JORNAL O GLOBO


Antes de tudo, gostaria de deixar bem claro que não estou falando em nome da Petrobras, nem em nome dos organizadores do movimento “Sou Petrobras”, nem em nome de ninguém que aparece nas fotos da matéria. Falo, exclusivamente, em meu nome e escrevo esta carta porque apareço em uma das fotos que ilustram a reportagem publicada no jornal O Globo do dia 15 de fevereiro, intitulada “Nova Rotina de Medo e Tensão”.

Fico imaginando como a dita jornalista sabe tão detalhadamente a respeito do nosso cotidiano de trabalho para escrever com tanta propriedade, como se tudo fosse a mais pura verdade, e afirmar com tamanha certeza de que vivemos uma rotina de medo, assombrados por boatos de demissões, que passamos o dia em silêncio na ponta das cadeiras atualizando os e-mails apreensivos a cada clique, que trabalhamos tensos com medo de receber e-mails com represálias, assim criando uma ideia, para quem lê, a respeito de como é o clima no dia a dia de trabalho dentro da Petrobras como se a mesma o estivesse vivendo.

Acho que tanta criatividade só pode ser baseada na própria realidade de trabalho da Letícia, que em sua rotina passa por todas estas experiências de terror e a utiliza para descrever a nossa como se vivêssemos a mesma experiência. Ameaças de demissão assombram o jornal em que ela trabalha, já tendo vários colegas sendo demitidos[1], a rotina de e-mails com represálias e determinando que tipo de informação deve ser publicada ou escondida devem ser rotina em seu trabalho[2], sempre na intenção de desinformar a população e transmitir só o que interessa, mantendo a população refém de informações mentirosas e distorcidas.

Fico impressionada com o conteúdo da matéria e não posso deixar de pensar como a Letícia não tem vergonha de a ter escrito e assinado. Com tantas coisas sérias acontecendo em nosso país ela está preocupada com o andar onde fica localizada a máquina que faz o café que nós tomamos e com a marca do papel higiênico que usamos. Mas dá para entender o porque disto, fica claro para quem lê o seu texto com um mínimo de senso crítico: o conteúdo é o que menos importa, o negócio do jornal é falar mal, é dar uma conotação negativa, denegrir a empresa na sua jornada diária de linchamento público da Petrobras. Não é de hoje que as Organizações Globo tem objetivo muito bem definido[3] em relação à Petrobras: entregar um patrimônio que pertence à população brasileira à interesses privados internacionais. É a este propósito que a Leticia Fernandes serve quando escreve sua matéria.

Leticia, não te vejo, nem você nem O Globo, se escandalizado com outros casos tão ou mais graves quanto o da Petrobras. O único escândalo que me lembro ter ganho as mesma proporção histérica nas páginas deste jornal foi o da AP 470, por que? Por que não revelam as provas escondidas no Inquérito 2474[4] e não foi falado nisto? Por que não leio nas páginas do jornal, onde você trabalha, sobre o escândalo do HSBC[5]? Quem são os protegidos? Por que o silêncio sobre a dívida da sonegação[6] da Globo que é tanto dinheiro, ou mais, do que os partidos “receberam” da corrupção na Petrobras? Por que não é divulgado que as investigações em torno do helicoca[7] foram paralisadas, abafadas e arquivadas, afinal o transporte de quase 500 quilos de cocaína deveria ser um escândalo, não? E o dinheiro usado para construção de certos aeroportos em fazendas privadas em Minas Gerais [8]? Afinal este dinheiro também veio dos cofres públicos e desviados do povo. Já está tudo esclarecido sobre isto? Por que não se fala mais nada? E o caso Alstom[9], por que as delações não valem? Por que não há um estardalhaço em torno deste assunto uma vez que foi surrupiado dos cofres públicos vultosas quantias em dinheiro? Por que você e seu jornal não se escandalizam com a prescrição e impunidade dos envolvidos no caso do Banestado[10] e a participação do famoso doleiro neste caso? Onde estão as manchetes sobre o desgoverno no Estado do Paraná[11]? Deixo estas perguntas como sugestão e matérias para você escrever já que anda tão sem assunto que precisou dar destaque sobre o cafezinho e o papel higiênico dos funcionários da Petrobras.

A você, Leticia, te escrevo para dizer que tenho muito orgulho de trabalhar na Petrobras, que farei o que estiver ao meu alcance para que uma empresa suja e golpista como a que você trabalha não atinja seu objetivo. Já você não deve ter tanto orgulho de trabalhar onde trabalha, que além de cercear o trabalho de seus jornalistas determinando “as verdades” que devem publicar, apoiou a Ditadura no Brasil[12], cresceu e chegou onde está graças a este apoio. Ao contrário da Petrobras, a empresa que você se esforça para denegrir a imagem, que chegou ao seu gigantismo graças a muito trabalho, pesquisa, desenvolvimento de tecnologia própria e trazendo desenvolvimento para todo o Brasil.

Quanto às demissões que estão ocorrendo, é muito triste que tantas pessoas percam seu trabalho, mas são funcionários de empresas prestadoras de serviço e não da Petrobras. Você não pode culpar a Petrobras por todas as mazelas do país, e nem esperar que ela sustente o Brasil, ou você não sabe que não existe estabilidade no trabalho no mundo dos negócios? Não sabe que todo negócio tem seu risco? Você culpa a Petrobras por tanta gente ter aberto negócios próximos onde haveria empreendimentos da empresa, mas a culpa disto é do mal planejamento de quem investiu. Todo planejamento para se abrir um negócio deveria conter os riscos envolvidos bem detalhados, sendo que o maior deles era não ficar pronta a unidade da Petrobras, que só pode ser culpada de ter planejado mal o seu próprio negócio, não o de terceiros. Imputar à Petrobras o fracasso de terceiros é de uma enorme desonestidade intelectual.

Quando fui posar para a foto, que aparece na reportagem, minha intenção não era apenas defender os empregados da injustiça e hostilidades que vem sofrendo sendo questionados sobre sua honestidade, porque quem faz isto só me dá pena pela demonstração de ignorância. Minha intenção era mostrar que a Petrobras é um patrimônio brasileiro, maior que tudo isto que está acontecendo, que não pode ser destruída por bandidos confessos que posam neste jornal como heróis, por juízes que agem por vaidade e estrelismos apoiados pelo estardalhaço e holofotes que vocês dão a eles, pelo mercado que só quer lucrar com especulação e nunca constrói nada de concreto e por um jornal repulsivo como O Globo que não tem compromisso com a verdade nem com o Brasil.

Por fim, digo que cada vez fica ainda mais evidente a necessidade de uma democratização da mídia, que proporcionará acesso a uma diversidade de informação maior à população que atualmente é refém de uma mídia que não tem respeito com o seu leitor e manipula a notícia em prol de seus interesses, no qual tudo que publica praticamente não é contestado por não haver outros veículos que o possa contradizer devido à concentração que hoje existe. Para não perder um poder deste tamanho vocês urram contra a reforma, que se faz cada vez mais urgente, dizendo ser censura ou contra a liberdade de imprensa, mas não é nada além de aplicar o que já está escrito na Constituição Federal[12], sendo a concentração de poder que algumas famílias, como a Marinho detém, totalmente inconstitucional.

Sendo assim, deixo registrado a minha repugnância em relação à matéria por você escrita, utilizando para ilustrá-la uma foto na qual eu estou presente com uma intenção radicalmente oposta a que ela foi utilizada por você.


[12] CF/88
Diz o artigo 220 da Carta, no inciso II do parágrafo 3°:
II – estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente.
Já o parágrafo 5° diz:
Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio.
E o artigo 221. por sua vez, prescreve:
Art. 221. A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios:
I – preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas;
II – promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive sua divulgação;
III – regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;
IV – respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

A delação mais que premiada de Pedro Barusco ex-gerente da Petrobras