terça-feira, 17 de maio de 2016

Bíblias e panfletos religiosos estão sendo distribuídos nas escolas de SP.


Por Mauro Donato

Postado em 17 May 2016
por : Mauro Donato



Os alunos da escola Gilberto Freyre, em Taboão da Serra, receberam o Novo Testamento


Nossos jovens estudantes de escolas públicas estão entre a cruz e a espada. Após a desmobilização da ETEC de Artes na tarde de ontem, restam apenas mais três escolas (Abdias do Nascimento, Emydgio de Barros e Ermano Marchetti) ocupadas na capital de São Paulo.

Mas se os estudantes já tiveram que enfrentar uma polícia desprovida de amparo de judicial e algumas milícias fomentadas por diretores e armadas de paus e pedras que renderam inúmeras batalhas civis como na Basilides de Godoy (SP) e Mendes de Moraes (RJ), agora o cerco vem de setores divinos.

A Escola Estadual Pirassununga distribuiu durante reunião de pais na data de hoje, um folheto com “orientações” voltadas tanto aos pais quanto a professores. Na seção dirigida aos pais, uma das recomendações é que deve-se incutir a fé em Deus nas crianças. Faz parte das “ações que auxiliam o bom desempenho do estudante”.

Já a Escola Gilberto Freyre, em Taboão da Serra, entregou um exemplar do ‘Novo Testamento – Salmos Provérbios’ para cada aluno no último dia 12 de abril.

Em que século estamos? Se você deseja matricular seu filho numa escola particular dirigida por freiras, é direito seu. Mas se o Estado é laico, no ensino público o laicismo deveria ser a regra.

A entrega de material religioso pode ser vista por muitos como algo benéfico, orientativo. Não devemos cair nessa por dois motivos, ao menos.

Primeiro: não se pode isolar esses fatos no cenário atual das ocupações e deixar de conferir a esse gesto mais uma uma atitude repressora para cima dos estudantes. A religião sempre foi instrumento de apoio em diversos estados totalitaristas e vice-versa. Foi a caçada à heresia promovida pela igreja primitiva que deu origem ao DNA que estruturou, tempos depois, estados totalitários como a Italia fascista.

Não se trata de combate à religião. Muitos ainda confundem a laicidade com o ateísmo. Laico não é ser antirreligioso (algo de foro íntimo) e sim não permitir a interferência da religião, e suas crenças, na esfera pública. Eduardo Cunha já conduziu orações dentro das instalações da Câmara, lembra?

Segundo: a aceitação e abertura das escolas é claramente seletiva. Ou alguém acredita que as escolas permitiriam a entrega da Torá ou do Alcorão? A influência católica no ensino sempre esteve historicamente acima dos limites toleráveis. Não coincidentemente, o catolicismo é a religião praticada pelo governador de São Paulo. Geraldo Alckmin tem um perfil que dificilmente iria opor-se a essa iniciativa, se é que não tenha partido do próprio palácio uma orientação extra-oficial.

Não exagero. O golpe dado por Michel Temer e sua turma escancarou o país para um conservadorismo latente e carrasco. Com sua marcha para trás em termos de direitos humanos há tempos perseguidos como aborto e união civil de pessoas do mesmo sexo, o exército de Temer formado por Malafaias e Felicianos é terreno fértil para que uma assombrosa investida da igreja sobre escolas públicas seja possível. Alckmin, repito, não se negaria a surfar essa onda.

A repressão contra alunos e professores se alastra numa capilaridade impressionante. Uma professora (que pede anonimato) declarou que alguns diretores estão chamando alunos e exigindo os nomes de professores simpáticos às ocupações. Há ainda orientações para que alunos, pais e até professores contrários ‘ocupem’ as escolas para evitar novas ocupações. Não é de se estranhar, portanto, que a religiosidade e seus conceitos de pecado estejam no cardápio de tentativas de amordaçar os estudantes.

Sinto informar, senhores ‘educadores’, mas é tarde demais. Como já se sabe, jogaram Menthos na geração Coca-Cola. Ninguém segura mais.








Panfletos entregues à Escola Estadual Pirassununga
(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).


Sobre o Autor: Jornalista escritor fotografo nascido em SP.
Publicado no blog Diario do centro do mundo

Nenhum comentário: