quarta-feira, 4 de maio de 2016

Harvard recebe Ciro Gomes evento promovido pelos alunos do MIT

Como enfrentar o medo conservador da mudança

Ciro nos EUA: é Golpe!


Ciro a estudantes sobre as reformas fiscal e política: os efeitos chegam antes 

Num evento promovido pelos alunos das Universidades de Harvard e do MIT em Cambridge, Massachusetts, dia 23/04/2016, nos Estados Unidos, Ciro Gomes comparou o Golpe de Estado em curso no Brasil ao que derrubou o presidente Lugo, no Paraguai: usar os protocolos vigentes e  massificar a denúncia de moralismo liderado por “um gangster”, Eduardo Cunha, processado no Supremo e a quem ele chamou de “ladrão”, na Câmara, quando deputado, a cinco metros de distancia.

Ciro defendeu a tese de que é preciso sair da paralisia conservadora que prevalece no Brasil, sobretudo, por causa do “medo da mudança”.

E, para isso, fazer uma mudança para daqui a alguns anos, adiar a vigência, pois, na política, como na Economia, se verifica uma precificação ex-ante: os efeitos acontecem antes de a mudança começar a funcionar.

Ele propõe, então, que o Presidente eleito anuncie que dará um prazo de seis meses para que o país discuta as duas questões centrais:

- a reforma fiscal, o que inclui a Previdência e a gestão da divida publica;

- e a reforma política, que só não pode prever o Parlamentarismo, porque se tornou causa pétria em razão dos dois plebiscitos que já o repudiaram.

A reforma política também não pode fingir que o dinheiro não existe.

É preciso definir como usá-lo.

Esse papel de mediar o debate seria o de um presidente “chefe de Estado”, em que ele agiria para facilitar a discussão.

Enquanto isso, ele, “chefe de Governo”, tocaria o país.

Depois de seis meses, definidas as propostas de reforma fiscal e política, elas seriam submetidas a um referendo ou plebiscito, como for o caso.

E as mudanças entrariam em vigor dai “xis” anos.

Num regime diferente daquele que Fernando Henrique definiu como “presidencialismo de coalizão”, que, na prática,  significa evitar CPI e ganhar tempo de televisão.

Ciro terminou a exposição com “fora da Democracia não há saída”
Do site Conversa afiada

Nenhum comentário: