quinta-feira, 16 de junho de 2016

Michel Temer recebeu propina e agora STF?

Peemedebistas confirmam e detalham trecho de delação de Machado

              

Partilha ingrata Ao menos um ponto da delação de Sérgio Machado é confirmado por pessoas que viveram os bastidores do PMDB em 2014. Ele diz que Michel Temer reassumiu o comando do partido para arbitrar a distribuição de R$ 40 milhões encaminhados pelo PT, depois de caciques da Câmara reclamarem que só senadores eram beneficiados. Naquele ano, os deputados de fato ensaiaram uma rebelião por esse motivo. Culpavam Valdir Raupp, então presidente, pela divisão desigual.

Detalhe Fora desde 2012, Temer retomou o posto na sigla em 16 de julho de 2014. À época, a Câmara era presidida por Henrique Alves. Eduardo Cunha liderava a bancada.

Muita calma No relato de peemedebistas à coluna, não há citação à JBS, mencionada pelo delator, nem ao valor específico de R$ 40 milhões.

Quase uma mãe Os filhos de Machado ganharam um presentão na colaboração do pai. Pelo acordo, mesmo que não tenham declarado recursos no exterior, poderão fazê-lo agora, independentemente do valor — e sem nenhuma punição aparente.

Que hora Quando recebeu a informação de que estava na delação de Machado, Temer lamentou — além das implicações óbvias — a inversão de expectativas: a terça estava programada para ser dominada pela agenda positiva de sua primeira PEC.

Mil perdões Pelo menos um emissário do Planalto passou pela casa de Cunha depois da decisão do Conselho de Ética. Não conseguiu aliviar a sensação do peemedebista de ter sido abandonado.

Pelos ares Apesar das negativas de Cunha de que vá delatar, frequentadores da residência oficial usam a expressão “crash político” para exemplificar o que pode acontecer caso seja cassado.



Rehab Depois de manter a equipe do governo intacta por duas semanas, auxiliares de Temer sugerem instalar no Planalto uma placa com os dizeres: “Estamos há XX dias sem demissões”.

Condição Antes resistente à tese da nova eleição presidencial, a CUT já fala em analisar a proposta de um plebiscito sobre o tema, feita por Dilma, desde que a consulta também preveja pergunta sobre uma Constituinte exclusiva para a reforma política.

Muda mais A própria presidente afastada já sinalizou apoio à ideia de um “combo”. Ela tenta usar a tese para convencer parte do Senado a aceitá-la de volta. No PT também começa a ver a medida com bons olhos.

Milagre O MST, porém, segue contra a ideia. “Nem Jesus Cristo salva o Brasil se o sistema político não mudar”, diz um dirigente da CUT.

Olímpica A equipe de Dilma fará um “intensivão” nas redes às vésperas da Olimpíada para constranger Temer e mostrar o trabalho da petista na preparação dos Jogos.

Além-mar Nem mesmo a saída de Nestor Cerveró da prisão, no dia 24, fará o filho do ex-diretor da Petrobras voltar ao Brasil. Desde que gravou o ex-senador Delcídio do Amaral propondo um plano de fuga para o pai, Bernardo vive na Inglaterra.

Jet lag Também não está nos planos de Bernardo, segundo advogados da família, vir ao país para depor no inquérito que investiga o vazamento da proposta de delação premiada de Cerveró.

Liberou O Sebrae lança na sexta, na região do ABC, nova linha de crédito para micro e pequenas empresas. Serão R$ 5 bilhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador para empresas que mantenham as vagas abertas e que contratem um Jovem Aprendiz.

Visita à Folha Eliseu Padilha, ministro-chefe da Casa Civil, visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava com Thatiana Souza, assessora de comunicação social.

TIROTEIO

Talvez as orações, de foro íntimo, tenham me ajudado a ter uma conduta pela qual nunca fui alvo da Justiça. Ao contrário de Blairo.

DO MINISTRO MARCOS PEREIRA (DESENVOLVIMENTO), sobre Blairo Maggi ter dito a Temer que seria ‘impossível’ ter um bispo como ministro da Agricultura.

CONTRAPONTO

Calma lá!

No início de seu discurso de agradecimento à homenagem que recebia da Sociedade Rural Brasil, nesta segunda-feira (13), o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP-MT), dizia acreditar que o evento só deveria considerar o que ele havia feito pelo setor antes de assumir a pasta no governo do presidente interino, Michel Temer (PMDB).
— Acredito que essa homenagem é por tudo aquilo que já fiz, e não por aquilo que estou fazendo no ministério — disse o ministro durante o jantar.
E revelou, apesar de estar há um mês no cargo:
— Porque tenho que confessar que nem consegui esquentar a cadeira da minha sala ainda.

Publicado no painel da Folha e no Brasil247

Nenhum comentário: