quinta-feira, 2 de março de 2017

Celso Amorim ex ministro de Lula e Dilma fala sobre o golpe na democracia que o Brasil sofreu


Celso Amorim: o mundo percebe o golpe no Brasil

                               Resultado de imagem para celso amorim
Ex-ministro de Relações Exteriores no governo Lula e ministro da Defesa do governo Dilma Rousseff, Celso Amorim afirma que no exterior é muito clara a percepção de que houve um golpe parlamentar no Brasil, que resultou na retirada da presidente Dilma e na ascensão de Michel Temer ao poder; "Isso é muito grave e todo mundo percebe. Hoje em dia o mundo está muito interconectado e as pessoas veem. Então, jornais como Washington Post, New York Times, Le Monde não são jornais de esquerda que estão criticando o que está se passando no Brasil", afirmou em Amorim em vídeo divulgado pelo PT; "Sem falar que os escândalos continuam a correr e todo mundo tem uma noção clara desses dois pesos e duas medidas"

247 - O ex-ministro de Relações Exteriores no governo Lula e ministro da Defesa do governo Dilma Rousseff, Celso Amorim afirma que, no exterior, é muito clara a percepção de que houve um golpe parlamentar no Brasil, que resultou na retirada da presidente Dilma e na ascensão de Michel Temer ao poder.

"Isso é muito grave e todo mundo percebe. Hoje em dia o mundo está muito interconectado e as pessoas veem. Então, jornais como Washington Post, New York Times, Le Monde não são jornais de esquerda que estão criticando o que está se passando no Brasil", afirmou em Amorim em vídeo divulgado pelo PT.

Ele lembra o trânsito que tinha o ex-presidente Lula no mundo e o respeito que havia com a ex-presidenta Dilma. "Diante do governo que existe atualmente, que não foi eleito, que surgiu de uma situação altamente discutível, que alguns chamam de golpe. Outros podem até querer não usar a palavra, mas uma mudança de projeto através de um impeachment, que não é para isso obviamente", afirmou.

Amorim diz também que a imprensa internacional também percebe e registra que há no Brasil "dois pesos e duas medidas" em relação ao combate à corrupção. "Sem falar que os escândalos continuam a correr e todo mundo tem uma noção clara desses dois pesos e duas medidas", afirmou o ex-chanceler, acrescentando que quando não havia nenhuma acusação de corrupção, a presidenta Dilma foi deposta. "E aqui ocorrem os escândalos e não acontece nada".

Publicado no Brasil247

Nenhum comentário: