terça-feira, 25 de abril de 2017

PLANILHA DE PROPINA DA ODEBRECHT COMPLICA MICHEL TEMER

                           
Planilha apresentada pelos delatores da Odebrecht Marcio Faria e Rogério Araújo que pode comprovar a negociação, feita por Michel Temer em seu escritório político em São Paulo, de US$ 40 milhões em propina para o PMDB é mais um capítulo a reforçar as investigações contra o peemedebista alçado à Presidência por um golpe parlamentar; pagamentos começaram em 21 de julho de 2010, seis dias depois da reunião no escritório de Temer; projeto que resultou no contrato foi concebido na Diretoria Internacional da Petrobras, na época comandada por Jorge Zelada, indicado para o cargo em 2008 pela bancada de deputados do PMDB, da qual Temer liderava


247 - A planilha apresentada pelos delatores da Odebrecht Marcio Faria e Rogério Araújo que pode comprovar a negociação, feita por Michel Temer em seu escritório político em São Paulo, de uma negociata de US$ 40 milhões em propina para o PMDB é mais um capítulo a reforçar as investigações contra o peemedebista alçado à Presidência por um golpe parlamentar em 2016.

Como mostra reportagem do jornalista André Barrocal, da Carta Capital, os pagamentos começaram em 21 de julho de 2010, seis dias depois da reunião no escritório de Temer. Um repasse de 256 mil dólares a "Tremito", codinome para identificar PMDB, segundo um dos delatores. O outro codinome para PMDB era "Mestre", diz o mesmo delator. "Tremito" e "Mestre" receberam 32 milhões de dólares entre 2010 e 2012, provavelmente no exterior.

Os outros 8 milhões de dólares em propinas, a inteirar os 40 milhões da negociata, foram pagos aos codinomes "Ferrari", "Drácula" e "Camponez". Trata-se de um trio de petistas, o senador cassado Delcidio Amaral (MS), o atual líder do partido no Senado, Humberto Costa (PE), e o ex-tesoureiro João Vaccari Neto. Costa está oficialmente sob investigação do MPF por causa dessa história.

O contrato de 825 milhões de dólares a resultar nas propinas foi firmado em outubro de 2010 pela Odebrecht com a Petrobras, com o objetivo de proporcionar a manutenção de unidades da estatal em nove países. Um serviço do tipo "Plano de Ação de Certificação em Segurança, Meio Ambiente e Saúde", conhecido no mundo dos negócios pela sigla PAC SMS.

O projeto que resultou no contrato foi concebido na Diretoria Internacional da Petrobras, na época comandada por Jorge Zelada, indicado para o cargo em 2008 pela bancada de deputados do PMDB, da qual Temer fazia parte. A fraude, segundo os delatores, consistiu em arranjar a licitação para a Odebrecht ser a vencedora. Em troca, farta recompensa financeira. Teria sido Aluisio Teles, número 2 na diretoria de Zelada, quem procurou Araújo, da Odebrecht, com a oferta.

A recompensa teria sido fixada em 40 milhões de dólares por João Augusto Henriques, homem que os deputados do PMDB de fato queriam na vaga de Zelada e que andava nas sombras pela Diretoria Internacional. Para a negociata ser selada, diz Araújo, Henriques marcou uma reunião dele, Araújo, com o então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). E este marcou outra com Temer.

Leia na íntegra a reportagem de André Barrocal.

Publicado no Brasil247

Nenhum comentário: