quinta-feira, 1 de junho de 2017

Brasil em recessão após o golpe parlamentar que tirou Dilma

INDÚSTRIA CAI 9,9% E PROVA QUE ECONOMIA CONTINUA AFUNDANDO

                    

O faturamento da indústria caiu 3,1% em abril, revertendo o crescimento registrado em março, de acordo com a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), hoje (1º), em Brasília. Essa queda é na comparação com março. Em relação a abril de 2016, houve retração de 9,9%; a CNI é presidida por Robson Andrade e deu apoio ao golpe parlamentar de 2016, que jogou o Brasil na maior depressão de sua história

Da Agência Brasil

O faturamento da indústria caiu 3,1% em abril, revertendo o crescimento registrado em março, de acordo com a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), hoje (1º), em Brasília. Essa queda é na comparação com março. Em relação a abril de 2016, houve retração de 9,9%.

O emprego também caiu: 0,6% na comparação com março. A massa salarial encolheu 0,4% em abril, na série livre de influências sazonais. Somente o rendimento do trabalhador teve alta pelo segundo mês consecutivo. O indicador, que cresceu 0,5% entre março e abril, foi influenciado pelo recuo acentuado da inflação nos últimos meses, explicou a CNI.

As horas trabalhadas na indústria recuaram 1,3% em abril na comparação com março. Além disso, o setor operou, em média, com 76,7% da capacidade instalada em abril, queda de 0,5 ponto percentual.

Indicadores do quadrimestre

Todos os indicadores do primeiro quadrimestre acusaram queda na comparação com o mesmo período de 2016. O faturamento ficou 7,8% menor e as horas trabalhadas 4% abaixo do verificado no primeiro quadrimestre de 2016.

Já a utilização média da capacidade instalada foi 0,7 ponto percentual menor nos primeiros quatro meses deste ano do que em igual período de 2016.

O emprego teve redução de 4,3%. A massa salarial real acumulada no primeiro quadrimestre de 2017 é 4,8% inferior e o rendimento médio está 0,5% abaixo do registrado nos primeiros quatro meses de 2016.

Publicado no Brasil247

Nenhum comentário: